Mulheres com câncer de mama esperam mais de 4 meses por diagnóstico

26/05/2017 - 18:37 -
Print Friendly, PDF & Email
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Pesquisa apresentada, nesta sexta-feira, no Fórum de Políticas Públicas para o Câncer de Mama da Fundação Laço Rosa, no Palácio Itamaraty, no Centro do Rio, mostra que as mulheres ainda esperam o cumprimento da lei que determina o prazo máximo de 60 dias entre o diagnóstico e o início do tratamento.

(Extra, 26/05/2017 – acesse no site de origem)

Após ouvir 268 mulheres, entre os dias 3 e 8 de maio, em São Paulo, em Porto Alegre, no Distrito Federal e no Rio de Janeiro, o levantamento feito pelo Instituto Data Folha revela que as pacientes esperaram até 4,4 meses para obter o diagnóstico da doença, 3 meses e meio entre o diagnóstico e o início do tratamento e outros 2,6 meses para o início da radioterapia.

— É um processo muito lento para quem não tem tempo a perder — critica Marcelle Medeiros, presidente da Fundação Laço Rosa, destacando outros pontos da pesquisa que ajudam a medir o grau de informação em relação à doença, tratamentos e direitos de pacientes com câncer.

A maior parte das entrevistadas tem entre 41 e 70 anos, está inserida na população não economicamente ativa e afirma não ter feito uso de alguns dos direitos de pacientes com câncer por desconhecimento. A isenção na tarifa do transporte interestadual e a retirada do FGTS são os benefícios mais utilizados, mas não há costume de buscar o Benefício da Lei Orgânica da Assistência Social, bem como solicitar isenção de Imposto de Renda ou prioridade em processos jurídicos para a aquisição de remédios, por exemplo.

A pesquisa também revelou uma incoerência. Aproximadamente oito de cada dez mulheres se consideram informadas sobre a doença, sendo que perto de sete conceituam-se como bem informadas. Por outro lado, metade delas não sabe o tipo de câncer que tem e, ao serem estimuladas a responder se conhecem sete dos medicamentos mais comuns para o tratamento, a maioria (70%) declarou não conhecer nenhum deles.

Quando indagadas a respeito de remédios biossimilares, o desconhecimento é ainda maior (82%).

— São medicações novas, biologicamente alteradas e, por isso, ainda não há um código de conduta no Brasil sobre como entrarão no mercado, se são seguras para o paciente e qual o direito do paciente em recusar o uso e o direito do governo em comprar, levando o custo em consideração e não os possíveis efeitos colaterais — explica Marcelle, acrescentando que esse tema foi um dos assuntos discutidos no fórum.

Outros dados apresentados pelo Data Folha mostram o desconhecimento das pacientes com câncer de mama. Por exemplo, 99% das entrevistadas afirmou desconhecer o gasto do seu município ou estado com a doença. E o mais grave: 70% sequer sabem a medicação usada em seu tratamento. O conhecimento a respeito de oferecimento de tratamentos diferentes na rede pública e na particular, para câncer de mama do tipo HER2+, também é baixo. Cerca de duas em dez declaram conhecer.

O Fórum de Políticas Públicas contou com a presença de gestores públicos e privados, associações médicas, entidades de classe, organizações não governamentais, sociedade civil, parlamentares e pacientes.