Seminário Mulher e Mídia no MT debate representação feminina no Brasil

07/08/2017 - 14:32 -
Print Friendly, PDF & Email
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Com o objetivo de discutir a forma como a mulher brasileira é retratada nos meios de comunicação, foi realizado nesta sexta-feira (04), o primeiro Seminário Mulher e Mídia da Defensoria Pública de Mato Grosso.

(Cenário MT, 07/08/2017 – acesse no site de origem)

O evento contou com a participação de diversos representantes do debate sobre o papel da mulher na sociedade contemporânea, como a jornalista Marisa Sanematso, do Instituo Patrícia Galvão, e a professora da Universidade Federal de Mato Groso (UFMT), Madalena Rodrigues, além das Defensoras Públicas Rosana Leite Antunes de Barros, coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher (NUDEM), Maila Aletéa Zanatta Cassiano Ourives, Tânia Regina de Matos, Juliana Ribeiro Salvador, Hálleny Araújo dos Santos e Sandra Cristina Alves.

Dividido entre os períodos matutino e vespertino, os painéis de discussão abordaram os temas “Mulher e Mídia”, palestra magna promovida pela jornalista Marisa Sanematsu, que apresentou aos ouvintes cases emblemáticos de má representação da mulher em noticiários e publicidades recentes, “Defensoria Pública, Sociedade e Imprensa”, e “Igualdade de Gênero”, palestra da professora da UFMT, Madalena Rodrigues.

A coordenadora do NUDEM, Rosana Leite Antunes de Barros abriu o Seminário destacando principais ações que o órgão já desenvolveu, como os ofícios enviados à Secretaria de Segurança solicitando a criação de mais delegacias especializadas em Mato Grosso, que atualmente conta com apenas uma unidade em todo o Estado, além de sua estrutura interdisciplinar de atendimentos, com ajuda de psicólogos e assistentes sociais.

A Defensora também falou sobre a natureza peculiar da Lei Maria da Penha, que comemora 11 anos de existência nesta segunda-feira (07). “A violência contra a mulher não é só doméstica. Por isso, defendemos que ela deve ser híbrida para ser efetiva, de modo que a mulher não reviva a violência sofrida por seu agressor a cada audiência do processo”, declarou.

Ao final do evento, os participantes concorreram a um sorteio do livro “As detentas do presídio feminino: Crônicas das Execuções Penais”, de autoria da Defensora Pública Tânia Regina de Matos.

Paulo Radamés