RJ vota proibição ao ensino de ideologia de gênero nesta quinta-feira

24/05/2018 - 16:16 -
Print Friendly, PDF & Email
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Projeto está na pauta da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) em primeira discussão. Outra proposta na Casa cria programa para ‘conscientização de que bater em mulher é crime’.

(G1/RJ, 24/05/2018 – acesse no site de origem)

Um projeto que proíbe a ideologia de gênero em escolas do Estado do Rio está em pauta em primeira discussão nesta quinta-feira (24) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

“Fica também coibida a utilização de qualquer meio pedagógico que possa conduzir a concepções ideológicas condizentes a gêneros e orientação sexual”, diz o projeto. 

O projeto foi apresentado por Milton Rangel (DEM), atualmente sem mandato. Ele foi suplente de Christino Áureo, enquanto este estava na secretaria de Governo de Luiz Fernando Pezão (MDB).

Os co-autores são Samuel Malafaia (DEM), Dr Deodalto (DEM), Flavio Bolsonaro (PSL), Filipe Soares (DEM), Carlos Macedo (PRB), Tia Ju (PRB) e Edson Albertassi (MDB). O último também está afastado do mandato porque foi preso na Operação Cadeia Velha.

“A educação tem que prezar pelo princípio da neutralidade política e ideológica, diante de crianças e adolescentes em fase de formação e informação intelectual”, diz o texto do projeto.

‘Conscientização de que bater em mulher é crime’

Outro projeto na pauta da Alerj nesta quinta prevê um programa socioeducativo de prevenção e conscientização de homens agressores.

A proposta fala em difundir campanha com orientações básicas “no tocante a agredir, injuriar, caluniar, difamar, manter relação sexual com mulher sem o consentimento da mesma, destruir seus documentos e mantê-la em cárcere privado, no âmbito familiar à margem da lei”.

O projeto é assinado por Filipe Soares (DEM). Ele pede que sejam espalhados cartazes com informações de grupos terapêuticos para o “homem portador do distúrbio agressor”.

A Delegacia Especial de Atendimento a Mulher, a PM e o Corpo de Bombeiros deveriam trabalhar em conjunto para a efetivação do programa.

“A DEAM – Delegacia Especial de Atendimento à Mulher atende mulheres vítimas de violência doméstica, podendo perceber que durante todos esses anos de bons serviços, nunca se configurou uma política pública de prevenção e ajuda a homens agressores, somente trabalhos pontuais e isolados de ONGs”, defende o autor.

Soares argumenta que o agressor só é tratado depois de ser julgado ou receber alguma punição. Ele aposta que o programa reduziria o número de casos de violência doméstica. 

“Este homem, na maioria das vezes, é criado dentro de uma cultura de que ‘bater em mulher é normal’, pois esta foi sua realidade durante toda a vida”, conclui.

Por Gabriel Barreira, G1 Rio