Seminário debateu uso e divisão do tempo de trabalho entre mulheres e homens

20/10/2017 - 14:25 -
Print Friendly, PDF & Email
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

“As pautas femininas e a defesa dos direitos das mulheres são questões que estão acima de quaisquer outros posicionamentos. São objetivos que nos agregam, nos fortalecem e nos proporcionam momentos como esse, demonstrando que as atividades e os programas seguem seu ritmo em busca de avanços”, afirmou a secretária adjunta da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SPM/SEGOV/PR), Maria Aparecida Moura, na abertura do Seminário “Uso do Tempo e Gênero”, que aconteceu quarta-feira(18), em Brasília.

(SPM, 20/10/2017 – acesse no site de origem)

Ela fazia referência à presença de representantes da ONU Mulheres, Organização Internacional do Trabalho – OIT, Comissão Econômica para América Latina e Caribe – Cepal, Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, sob o comando do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada – IPEA, responsável pela realização do Seminário.

O encontro abordou questões de gênero, com ênfase sobre divisão sexual do trabalho e como ela se traduz no dia a dia das famílias. Os debates tiveram o reforço das informações contidas no livro “Uso do Tempo e Gênero”, lançado durante o evento. A edição reúne os estudos e pesquisas apresentados em 2013, no Rio de Janeiro, durante a realização da 35ª Conferência da Associação Internacional de Pesquisa de Uso do Tempo (IATUR). A organização dos textos e a impressão do livro são da SPM e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA.

O Seminário foi dividido em duas partes. A primeira, debateu os marcos internacionais de medição e valoração do trabalho não remunerado, a desigualdade na América Latina e o uso do tempo no Brasil. Em seguida, especialistas discutiram conciliação e corresponsabilidade com o trabalho e a família, além de políticas públicas.

A mesa de encerramento do seminário promoveu um debate mais aprofundado sobre as diferenças de gênero e de raça, trazendo um panorama sobre o gênero e a classe nos usos do tempo das famílias brasileiras