Ex-BBB Marcos é denunciado pelo Ministério Público por agressão a Emilly

25/04/2017 - 15:39 -
Print Friendly, PDF & Email
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Em nota enviada ao UOL, a assessoria esclarece que a agressão aconteceu durante a festa Retrô do reality da TV Globo. “Marcos agrediu Emilly com fortes beliscões, que causaram um hematoma no braço esquerdo da vítima, por motivo fútil, que seria ciúmes. Em outro momento, o denunciado ofendeu novamente a integridade corporal de Emilly, com um apertão no antebraço direito, que acarretou um novo hematoma roxo. As lesões constam em Laudo de Corpo Delito”. Segundo o promotor de Justiça Gianfilippo Pianezzola, “os crimes foram praticados no âmbito de uma relação íntima de afeto, já que Marcos mantinha um relacionamento amoroso com Emilly”.

(Compromisso e Atitude, 25/04/2017 – Acesse o site)

De acordo com ele, “as agressões físicas e psicológicas suportadas pelas vítimas, causadoras de dano físico e emocional,
consistem forma de violência doméstica e familiar”.

O caso agora segue para a Justiça, que após análise decidirá se Marcos vira réu do processo.

Marcos foi indiciado por lesão corporal

O BBB Marcos Harter foi indiciado após investigação de agressões contra sua companheira de confinamento Emilly Araújo
durante o reality show. O médico foi indiciado por lesão corporal com base na Lei Maria da Penha.

Márcia Noeli, chefe da Divisão de Polícia de Atendimento à Mulher (DPAM), confirmou que as investigações do inquérito policial foram concluídas pela delegada Viviane Costa Pinto, titular da DEAM de Jacarepaguá, e encaminhou o caso para o Ministério Público. “Após análise das imagens, das declarações prestadas e do teor do laudo pericial positivo, os quais não deixaram dúvidas quanto à autoria e materialidade delitiva, constatando que as lesões da vítima se deram em razão das ações intencionais do autor, a Autoridade Policial indiciou formalmente Marcos de Oliveira Harter, relatou o Inquérito Policial e o encaminhou à Promotoria de Justiça.”