Três comissões permanentes da Câmara serão presididas por mulheres

23/03/2017 - 11:58 -
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

A Câmara dos Deputados elegeu nesta quinta-feira (23) três deputadas – duas do PSDB e uma do PDT – para comandar comissões permanentes da Casa neste ano.

(Câmara dos Deputados, 23/03/2017 – acesse no site de origem)

A deputada Shéridan (PSDB-RR) foi eleita presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, colegiado criado no ano passado. Uma das parlamentares mais jovens da Câmara, aos 32 anos Shéridan assume a presidência de uma comissão permanente pela primeira vez.

Leia mais: Relator da Reforma Política vai propor cota de 1/3 para mulheres em listas de partidos (Agência Câmara, 22/03/2017)

Shéridan presidirá a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher: a dupla, tripla jornada feminina tem de ser considerada na reforma da Previdência (Foto: Rodrigo Pertoti/Câmara dos Deputados)

Shéridan presidirá a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher: a dupla, tripla jornada feminina tem de ser considerada na reforma da Previdência (Foto: Rodrigo Pertoti/Câmara dos Deputados)

Ela afirmou que a causa da mulher transcende as questões políticas e demonstrou preocupação com a proposta de reforma da Previdência do governo (PEC 287/16), que quer igualar a idade de aposentadoria de homens e mulheres. “A gente sabe que a reforma é uma necessidade. Só que a realidade da mulher, com sua dupla, tripla jornada deve ser considerada”, declarou.

Shéridan é psicóloga de formação e está em seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados.

Relações exteriores
Já a deputada Bruna Furlan (PSDB-SP) foi eleita para presidir a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. O colegiado analisa questões relativas à política internacional e às Forças Armadas.

Reunião de instalação da comissão e eleição do novo presidente. Presidente eleita, dep. Bruna Furlan (PSDB-SP)

Bruna Furlan quer pautar temas humanitários na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados)

A parlamentar disse que, desde que chegou à Câmara, optou por atuar no debate sobre a política externa, uma forma, segundo ela, de discutir o Brasil a partir de suas relações com outros países.

Bruna Furlan informou que, no colegiado, vai trabalhar ouvindo todas as partes e que quer pautar propostas a respeito de temas humanitários. “Esse é o viés que pretende dar para esta presidência. Quero cuidar das pessoas que estão pelo mundo e foram expulsas de seus países por guerras, tragédias naturais ou perseguições religiosas”, adiantou. “Estamos em um momento conturbado da relação do Brasil com outras nações, por conta de políticos eleitos que não têm a visão humanitária do nosso País. Muito tem de ser feito”, acrescentou.

Formada em Direito, Bruna está em seu segundo mandato na Câmara. Recentemente, ela presidiu a comissão especial que examinou o projeto de nova lei de imigração do País (PL 2516/15). O texto foi aprovado na Câmara e está em análise no Senado.

Sociedade
Por sua vez, a deputada Flávia Morais (PDT-GO) foi eleita presidente da Comissão de Legislação Participativa. Ela pretende fortalecer a relação do colegiado com a população.

Flávia Morais pretende fortalecer a relação da Comissão de Legislação Participativa com a sociedade (Foto: Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

Flávia Morais pretende fortalecer a relação da Comissão de Legislação Participativa com a sociedade (Foto: Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

A CLP é a única das comissões da Câmara que recebe sugestões de propostas legislativas diretamente da sociedade, e tem poder para transformá-las em projetos de lei, que são votados na Casa.

“É importante a abertura que este colegiado representa para os trabalhos legislativos, fazendo com que a voz da sociedade seja ouvida pelos parlamentares”, apontou Morais.

Professora de educação física, ela está em seu segundo mandato na Câmara. Já presidiu comissões especiais na Casa e comandou a Frente Parlamentar Mista de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa.

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Marcelo Oliveira