“A mulher vítima de violência doméstica precisa de um atendimento humanizado e acolhedor”, afirma Augusta Andrade

Compartilhar:
image_pdfPDF

Coronel da PM do Maranhão participa do último vídeo da série baseada na pesquisa Percepções da população brasileira sobre feminicídio

(Agência Patrícia Galvão | 25/02/2022)

Redes institucionais de proteção, além do apoio de amigos e familiares, são recursos fundamentais para a mulher sob ameaça de violência recorrer e conseguir proteção. Este é o tema do novo vídeo da Agência Patrícia Galvão, último da série baseada na pesquisa Percepções da população brasileira sobre feminicídio, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e Locomotiva, com apoio do Fundo Canadá. De acordo com a pesquisa, 85% da população acredita que os serviços de atendimento à mulher agredida são bons, mas existem em poucas cidades.

Segundo a coronel da Polícia Militar do Maranhão, Augusta Andrade, a mulher vítima de violência doméstica precisa de um atendimento humanizado e acolhedor. “E quando essa rede se une para dar esse atendimento, esta mulher sai fortalecida. É importante dizer para ela que sempre procure ajuda. E essa ajuda vai começar pela delegacia, pelo Ministério Público, pela vara da mulher, onde vai conseguir a medida protetiva que é extremamente importante para que essa mulher se mantenha viva”. 

Acesse a íntegra da pesquisa e acompanhe a programação da Agência Patrícia Galvão.

 

 

 

Compartilhar: