38º Encontro Anual da ANPOCS – Caxambu, 27 a 31/10

1006
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Copa do Mundo, Eleições 2014, Manifestações Sociais, 50 Anos do Golpe Militar, Conjuntura Política, Segurança Pública e Cultura Digital são alguns dos temas que serão debatidos durante o evento.

O 38o Encontro Anual da ANPOCS, maior fórum de discussão da agenda nacional e internacional do país, que acontece entre os dias 27 e 31 de outubro, em Caxambu (MG), reúne a elite do pensamento acadêmico brasileiro e conta com a presença de conferencistas internacionais.

Em ano de eleições e Copa do Mundo no Brasil, a ANPOCS (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais) promove diversos debates acerca desses temas, além de discussões que abrangem as múltiplas áreas de estudos da Sociologia, Ciência Política e Antropologia.

“As reuniões anuais da ANPOCS são momentos cruciais de articulação interdisciplinar entre pesquisadores que,  frequentemente, criam os marcos que serão explorados por diversos anos. O Encontro deste ano inova, mais uma vez, apresentando uma “Conversa com Autor Latino-Americano”, evento destinado a aumentar o conhecimento sobre a produção do nosso continente. Além disso, cientes da importância do assunto, há um foco privilegiado sobre políticas de ciência, tecnologia e inovação para as Ciências Sociais”, avalia o presidente da ANPOCS, Gustavo Lins Ribeiro, professor do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília.

Para inaugurar esta nova atividade, o doutor em Antropologia, Alejandro Grimson, da Universidade de San Mártin (Argentina), abordará o tema Argentina exotizada, como si hiciera falta. Na palestra, ele irá expor a seleção de 70 mitomanias (compulsão em mentir) que os argentinos dizem sobre seu país e sobre eles mesmos. Se trata de um estudo antropológico da linguagem coloquial que se passa tanto em momentos de orgulho como de autodepreciação.

Além disso, encontros com pesquisadores de outros campos do conhecimento passaram a ser chamados de “Conversas Interdisciplinares”. Este ano, essa atividade contará com a presença do filósofo brasileiro Renato Janine Ribeiro, da Universidade de São Paulo (USP) que discorrerá sobre o assunto A quarta agenda democrática. “O Brasil conheceu nas últimas décadas três grandes agendas de democratização, levando à derrubada da ditadura (1985),  ao fim da hiperinflação (1994) e à inclusão social em larga escala como política de Estado (desde 2003). Cada uma resultou de lutas demoradas e foi liderada por um partido. Uma interpretação que sustentarei das manifestações de 2013 é que elas abriram uma quarta agenda, a da qualidade dos serviços públicos”, comenta Ribeiro.

:: DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO ::

O 38º Encontro Anual da ANPOCS terá uma ampla programação. Em cinco dias de evento, serão realizados quatro conferências, cinco sessões especiais, cinco colóquios, cinco fóruns, dezenove reuniões especiais, vinte e três simpósios, vinte e oito mesas-redondas, quarenta e duas apresentações de grupos de trabalho, além de conversas com autores, exposições, mostra de filmes, workshop e cursos.

Em ano de Copa do Mundo e Eleições, o evento não poderia deixar de abordar esses dois assuntos, além de outros temas como os 50 anos do Golpe Militar, completados em 2014; os protestos de junho de 2013, que ainda ecoam pelo país; a Democracia abordada a partir de diversos âmbitos, dentre outros assuntos.

Confira os destaques da programação:

CONFERÊNCIAS

Entre os conferencistas, destaque para o antropólogo, cientista político e escritor brasileiro, Luiz Eduardo Soares, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que irá falar sobre o tema “O deslocamento das placas tectônicas da sociedade brasileira”; e para o sociólogo e economista francês Alain Caillé, da Université Paris Quest Nanterre La Défense, cuja conferência leva o título “Qual o futuro da Teoria Social? O Paradigma do Dom e o Convivialismo”.

Soares pretende abordar a grande migração do campo para as cidades, e como essa migração altera o migrante tanto quanto muda a paisagem e o tipo de inserção sócio-econômica. Já Caillé aborda a teoria social e política mundial sob seus conceitos de “paradigma do dom” (em relação à teoria) e de “convivialismo” (em relação à política) para sugerir uma alternativa que nos permita pensar em uma possível cooperação entre indivíduos e sociedade.

Além deles, completam a lista de conferencistas, o antropólogo americano Charles R. Hale, da University of Texas, que abordará o tema “Histórias americanas das antropologias engajadas: reflexões relacionais entre Brasil, México e Estados Unidos”; e o sociólogo alemão Wolfgang Knöbl, da GeorgAugust– Universität Göttingen, que discursará sobre a “Reconfiguração da teoria social pós hegemonia ocidental”.

COPA DO MUNDO E ELEIÇÕES NO BRASIL

A Sessão Especial “A Conjuntura Política em ano de copa do mundo e eleições”, que conta com coordenação de Cláudio Gonçalves Couto (FGV-SP), Secretário Adjunto da ANPOCS, e com os expositores Carlos Melo (Insper), João Feres Jr. (IESP-UERJ) e Rudá Ricci (Instituto Cultiva), abordará como a eleição presidencial de 2014 se revelou a mais incerta e surpreendente desde a reintrodução do voto direto, em 1989.

Já a mesa redonda “As eleições de 2014 e a geografia do voto”, que conta com coordenação e exposição de André Borges (UnB), além dos expositores Sônia Luiza Terron (UFRJ) e Vitor de Moraes Peixoto (UENF), propõe-se a discutir o cenário eleitoral de 2014 a partir da ótica do espaço e da territorialidade do voto, com ênfase na disputa presidencial. Dentre os temas a serem debatidos, incluem-se o grau de consolidação das bases territoriais dos partidos, as estratégias dos candidatos para expandir e nacionalizar a votação e as possibilidades de realinhamento e mudança eleitoral em 2014.

Com coordenação de Emerson Urizzi Cervi (UFPR) e Mauro Macedo Campos (UENF), o Grupo de Trabalho “Financiamento do sistema partidário e eleitoral nas democracias contemporâneas” abordará o financiamento da política no Brasil e em outros países, seja do ponto de vista de quem financia o sistema: poder público, doadores individuais ou empresas; seja do ponto de vista de quem é financiado: partidos políticos e candidatos.

A mesa-redonda “Eleições presidenciais e política externa brasileira” tem por objetivo promover reflexão plural sobre as eleições presidenciais de 2014, a fim de avançar no diagnóstico sobre a “conexão eleitoral” da Política Externa Brasileira (PEB). Com coordenação de Dawisson Belém Lopes (UFMG), os expositores Carlos Aurélio Pimenta de Faria (PUC Minas), Janina Onuki (USP) e Fabiano Santos (IESP-UERJ) pretendem, ainda, estimar o impacto das temáticas internacionais sobre a formação das preferências dos votantes nas eleições presidenciais de 2014.

Mídia, política e eleições” é o tema do grupo de trabalho que busca compreender as relações entre comunicação e política, explorando um vasto campo de produção de conhecimento nas ciências sociais contemporâneas. Com coordenação de Ricardo Fabrino Mendonça (UFMG) e Fernando Lattman Weltman (CPDOC/FGV-RJ), esse trabalho investiga ainda o papel político da mídia em democracias representativas.

A presença do futebol no imaginário das manifestações de rua é o tema em pauta no Colóquio “Copa do mundo e os movimentos sociais”. Com coordenação de Luiz Henrique de Toledo (UFSCar) e Simone Brito (UFPB), essa atividade abordará ainda os impactos que novas representações possam suscitar no deslocamento simbólico do futebol do epicentro da cultura esportiva.

MANIFESTAÇÕES SOCIAIS

As grandes manifestações sociais e políticas ocorridas principalmente no mês de junho de 2013, e que se estenderam pelos meses seguintes em muitos locais do Brasil, sem dúvida pegaram de surpresa o mundo político tradicional e os analistas da grande mídia. O Colóquio “O Brasil nas ruas: movimentos, demandas e conflitos”, dividido em três sessões, propõe-se a debater as diversas interpretações dos protestos de Junho, assim como sua evolução até o contexto de finais de 2013 e 2014, com o cenário da Copa do Mundo.

Já o Grupo de Trabalho “Entre as Ruas e os Gabinetes: institucionalização e contestação nos movimentos sociais latino-americanos” tem como foco as relações entre institucionalização e contestação política na formação e atuação dos movimentos sociais. Em especial, esse trabalho busca compreender a crescente complexidade das interações entre movimentos sociais e Estado observada em diversos países latino-americanos nas últimas décadas.

O Simpósio “Organizações civis, mobilizações sociais e violência urbana: novas cartografias na ação coletiva” tem como objetivo discutir a atuação de organizações civis, grupos ou mobilizações sociais que se inserem no campo de ações e discursos referidos à “violência urbana” – desde ONGs, igrejas pentecostais, associações de moradores, grupos de familiares de vítimas, grupos culturais de jovens, até atores do “mundo do crime”, como as facções criminais – assim como suas relações com políticas públicas, os atores estatais e as sociabilidades locais.

POLÍTICA E DEMOCRACIA

O sociólogo norte-americano Markus S. Schulz, da Universidade de Illinois, é um dos convidados da mesa-redonda “Estado e desigualdades”, que conta ainda com a participação de Jose Miguel Rasia (UFPR), Marcelo Medeiros (UnB), José Luiz Ratton Jr. (UFPE), e tem coordenação de Maria Celi Scalon (UFRJ). A proposta deste debate é discutir as desigualdades em suas múltiplas dimensões e a relação de dupla via que estabelecem com as políticas públicas.

Dialogando com a debate anterior, a mesa-redonda “Políticas sociais, desenvolvimento e cidadania” propõe contribuir com a discussão acerca da questão social brasileira na perspectiva da agenda de desenvolvimento. Com coordenação de Paulo de Martino Jannuzzi (Ministério do Desenvolvimento Social – MDS) e exposição de Eduardo Fagnani (Plataforma Política Social), Ana Fonseca (Sesep/MDS) e Luciana de Barros Jaccoud (MDS), neste debate, pretende-se apontar mecanismos que articulem políticas econômicas e sociais em um contexto de reforço do papel do Estado e da centralidade da política e da democracia em uma perspectiva ampliada.

O professor e pesquisador do Departamento de Ciências Sociais da PUC-RJ, Luiz Werneck Vianna, que será contemplado este ano com o Prêmio Anpocs de Excelência Acadêmica Gildo Marçal Brandão em Ciência Política, participa da mesa-redonda “A democracia e seus defeitos”, ao lado de Gabriel Cohn (UNIFESP, USP) e Fabio Wanderley Reis (UFMG). Com coordenação Claudio Gonçalves Couto (FGV-SP), a proposta deste debate é problematizar o consenso formado em torno da democracia como um valor universal, discutindo os limites e os defeitos do regime democrático e avaliando a factibilidade de modelos políticos alternativos que sejam  defensáveis.

As conexões políticas dos grandes grupos empresariais brasileiros” é o tema da mesa-redonda que conta com coordenação de Manoel Leonardo Santos (UFMG) e exposição de Fernanda Cimini Salles (UFRJ), Juan Vicente Bachiller Cabria (UERJ) e Wagner Iglecias (USP). O objetivo deste debate é analisar se os laços políticos estabelecidos pelo grande empresariado ajudam nas políticas de desenvolvimento, ou se tais laços promovem incentivos para capturar rendas, criar distorções na livre competência, e distorções no funcionamento da democracia.

CULTURA DIGITAL

Ciberpolítica, ciberativismo e cibercultura” é o tema do Grupo de Trabalho, coordenado pelo cientista político Sérgio Soares Braga (UFPR) e pelo sociólogo Sérgio Amadeu da Silveira (UFABC), um dos defensores da neutralidade da rede e do Marco Civil da Internet, aprovado pela Câmara doas Deputados, em março deste ano. Esse trabalho pretende reunir pesquisadores que investigam os impactos das tecnologias de informação e comunicação (TICs) sobre várias dimensões das sociedades contemporâneas, tendo como foco três campos de investigação: “ciberpolítica”, ou os impactos das novas tecnologias digitais sobre os sistemas políticos; “ciberativismo”, ou seja, o emprego das novas tecnologias de comunicação para promover novas modalidades de ação coletiva e ampliação da cidadania; e cibercultura”, isto é, trabalhos que investigam como as TICs estão propiciando a emergência de formas de identidades coletivas e processos de criação simbólica que integram os diversos atores sociais em novos universos de referência cultural.

SEGURANÇA PÚBLICA

Com o tema “Crime, polícias e segurança pública no Brasil”, a mesa-redonda sob coordenação e exposição de Renato Sérgio Lima (FBSP), conta ainda com os expositores José Luiz  Ratton Jr (UFPE), Rodrigo Ghiringhelli (PUCRS), e a debatedora Joana Domingues Vargas (UFRJ). Esta atividade propõe uma reflexão sobre rumos e cenários para a agenda de pesquisas da área de estudos sobre o crime e violência no Brasil, com base no recém lançado livro “Crime, Polícia e Justiça no Brasil”.

RELIGIÃO

O último Censo do IBGE (2010) revela mudanças e continuidades em relação à dinâmica do desenvolvimento (aumento, estagnação, recrudescimento, etc.) das denominações religiosas considerando o número de auto declarações dos pesquisados. A partir deste contexto, a proposta do Colóquio “Religião e espaço público: alguns debates contemporâneos”, que será realizado em duas sessões, é abordar esta dinâmica enfatizando o tema da diversidade religiosa sem perder de vista o contraponto da esmagadora hegemonia cristã.

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

Na Sessão Especial “Comissões da Verdade nas universidades”,  que conta com os participantes Bruno Konder Comparato (UNIFESP), Marco Aurélio Santana (UFRJ) e Cesar Barreira (UFC), tem por objetivo levantar a discussão sobre o andamento dos trabalhos das referidas comissões, atualmente em funcionamento em mais de uma dezena de universidades.

Haverá ainda uma mesa-redonda sobre “Cinema e Ditadura”, com coordenação de Rosemary Segurado (PUC/SP, FESP) e os debatedores Anita Simis (UNESP), Eduardo Victorio Morettin(USP) e Vera Chaia (PUC/SP). Passados cinquenta anos do golpe militar, o debate sobre o período continua sendo fundamental, principalmente por um certo revisionismo histórico que busca descaracterizar as violações aos direitos humanos, o autoritarismo e o cerceamento da liberdade de expressão e de manifestação.

INTERNACIONAL

No Encontro Anual da ANPOCS de 2013, aconteceram seis sessões de debates com pesquisadores dos países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A partir dessas reuniões, produziu-se uma convicção generalizada de que pesquisadores de cada país precisam se conhecer melhor e desenvolver projetos de pesquisa juntos. Voltando ao tema, o Encontro deste ano traz a Sessão Especial intitulada “A ascensão dos BRICS: desafios para as Ciências Sociais brasileiras”. Com coordenação de Tom Dwyer (UNICAMP), e exposição de Antonádia Monteiro Borges (UnB), Eduardo Viola (UnB) e Marcos Costa Lima (UFPE), este debate pretende resgatar e atualizar estas discussões, e apontar elementos de agendas de pesquisa nas Ciências Sociais.

A mesa redonda “Democracia na Venezuela: limites, impasses e o futuro” apresenta o panorama da democracia na Venezuela como um dos temas políticos mais controversos no continente, tanto em estudos acadêmicos como no debate político. Com coordenação de Wagner de Melo Romão (UNICAMP), os expositores Igor Fuser (UFABC), Pedro Silva Barros (IPEA) e Rafael Villa (USP) pretendem analisar o passado recente do país e lançar um olhar ao futuro da democracia na Venezuela

Já o Simpósio “Potências tradicionais, potências emergentes e a ordem mundial contemporânea: dilemas, tensões e possibilidades” abarca questões como: (trans)formação de espaços multilaterais de negociação para as potências tradicionais e médias emergentes; articulações regionais e seu papel nestes processos; cooperação técnica descentralizada;  cooperação norte-sul, norte-norte e sul-sul e seus impactos e relações com os processos acima referidos.

PRÊMIO ANPOCS DE EXCELÊNCIA ACADÊMICA

A ANPOCS instituiu, em 2013, uma nova premiação, dividida em três categorias, destinada a reconhecer professores e pesquisadores por suas contribuições acadêmicas, o impacto de sua destacada produção intelectual e por seu trabalho institucional em prol das ciências sociais.

Este ano, na cerimônia de abertura do 38o Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, serão contemplados os seguintes nomes:

– O Prêmio ANPOCS de Excelência Acadêmica Gilberto Velho em Antropologia será entregue à Eunice Durham (USP) e ao Ruben George Oliven (UFRGS).

– Para o Prêmio Anpocs de Excelência Acadêmica Gildo Marçal Brandão em Ciência Política, foram contemplados Fabio Wanderley Reis (UFMG) e Luiz Werneck Vianna (PUC-Rio).

– E o Prêmio Anpocs de Excelência Acadêmica Antônio Flávio Pierucci em Sociologia será concedido a Eli Roque Diniz ( UFRJ) e Maria Arminda do Nascimento Arruda (USP).

EXPOSIÇÕES

Durante o Encontro, o público poderá conferir duas exposições na categoria Ensaios Fotográficos: Olhar Visível, de  Luiza de Paula Souza Serber UNICAMP) e Suely Kofes (UNICAMP); e Violência que fala, violência que cala, de  Gabriel Q. Kubrusly (UFRJ) e Diogo Lyra (UFRJ). Haverá sessões para apresentação e debate com os autores dos dois trabalhos, em duas sessões distintas.

MOSTRA DE FILMES

Serão exibidos diversos filmes em quatro sessões realizadas de terça a quinta-feira (28 a 30/10) durante o encontro. A programação contempla principalmente documentários brasileiros, dedicados à etnografia e à antropologia.

>>Confira a programação completa aqui!

CURSOS E WORKSHOP

Este ano a ANPOCS programou dois cursos. Reinventando os Clássicos apresenta novas abordagens de textos consagrados da ciência política e da antropologia. Dividido em três aulas de 1h30 cada, a inscrição custa R$ 60. Já o Introdução ao uso de Banco  de Dados, no qual será discutida a importância do compartilhamento de banco de dados nas pesquisas de Ciências Sociais, é gratuito e tem duração total de 2h30.

Além disso, será realizado o workshop Research in Germany, que conta, dentre os expositores, com a presença do conferencista alemão Wolfgang Knöbl (Universidade de Göttingen), de Silvia Bauer (da agência de fomento alemã DAAD) e Conrado Hübner Mendes (USP/Fundação Alexander von Humboldt). Nesta atividade, o público será informado sobre programas de pós-graduação, doutorado, pós-doutorado, cooperação científica e institucional e sobre projetos de pesquisa em geral, bem como sobre programas de bolsas e fomento para estudantes, professores e pesquisadores

:: SOBRE A ANPOCS ::

Fundada em 1977, a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS), entidade de direito privado sem fins lucrativos, reúne mais de uma centena de centros de pós-graduação e de pesquisa em antropologia, ciência política, relações internacionais, sociologia, de todo o Brasil. O Encontro Anual da ANPOCS é realizado com patrocínio do CNPq, PRCEU/USP, BNDES, Capes, Embaixada dos Estados Unidos, Fapesp, Fapemig, Faperj, IPEA, Sesc, Instituto Unibanco, Secretaria de Políticas para Mulheres, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Governo Federal e governo francês, com apoio da FFLCH/USP e da Biblioteca Nacional.

>>Confira a programação completa, as datas e locais das atividades aqui!

Compartilhar: