07/06/2010 – 14ª Parada LGBT reúne 3,5 milhões em São Paulo (Folha/Estadão)

626
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Folha de S.Paulo/O Estado de S. Paulo) “Em ano eleitoral, Parada Gay evitou colorido para defender projeto que torna homofobia crime; nenhum pré-candidato à Presidência apareceu”, diz a matéria da Folha sobre a 14ª edição da Parada LGBT de São Paulo. “Pelos cálculos dos organizadores, 3,5 milhões de pessoas encheram a avenida Paulista e a rua da Consolação dançando atrás de trios elétricos -400 mil a mais que no ano passado”, informa a reportagem, que explica que “neste ano, a organização decidiu que os trios seriam monocromáticos. E pediu a gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais, simpatizantes e curiosos que comparecessem sem cor. (…) A razão da falta de cor foi política. A parada quer que os pré-candidatos à Presidência da República se comprometam com um projeto de lei, em tramitação no Congresso, que transforma a homofobia em crime, da mesma maneira que o racismo. ‘Gente, vamos votar num candidato que apoie nossa luta’, discursou um militante num dos trios elétricos. Nenhum dos principais pré-candidatos apareceu.”

Na reportagem do Estadão, Franco Reinaudo, coordenador-geral da Coordenadoria de Assuntos de Diversidade Sexual da Prefeitura, declarou: “Neste ano, mostramos que devemos votar em quem tem um posicionamento à favor do movimento. Há muitos políticos evangélicos que são contra gays”.

Leia as matérias em pdf: 
Parada Gay reúne mais de 3 milhões em São Paulo (O Estado de S. Paulo – 07/06/2010)
Menos cor no arco-íris (Folha de S.Paulo – 07/06/2010)

Veja também:
07/06/2010 – Projeto contra a homofobia está parado no Senado (Folha)


2ª Jornada Lésbica Feminista, de 2 a 29 de junho

8acaminhadalesbicaspDesde sua primeira edição, em 2002, a Caminhada Lésbica de São Paulo promove a visibilidade lésbica, bissexual e transexual alinhada com os esforços em favor da promoção da visibilidade de todas as mulheres.
Além da Caminhada, a Liga Brasileira de Lésbicas organizar no período diversas oficinas, além de reuniões e debates.


Indicação de fonte:

Maria de Lourdes Rodrigues
– socióloga e ativista
Liga Brasileira de Lésbicas
São Paulo/SP
              (11) 4581-8707        / 9169-4513 – [email protected]  / [email protected]
Fala sobre: direitos das mulheres; direitos das lésbicas; lesbianidade

Compartilhar: