19/10/09 – Papel da mulher ainda é subestimado na ciência

663
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

A ganhadora mais jovem do Nobel deste ano, Carol Greider, tem 48 anos e é professora da Universidade Johns Hopkins em Baltimore. Nessa entrevista concedida à repórter Janaina Lage, correspondente da Folha de S.Paulo em Nova York, a cientista declara que ainda ocorre uma subrepresentação no número de mulheres que ocupam cargos de destaque na carreira científica. A bióloga afirma ter esperanças que, conforme novas descobertas tenham sua aplicação comprovada, haverá um aumento na quantidade de mulheres ganhadoras de prêmios e no reconhecimento da comunidade acadêmica.

Carol Greider dividiu o prêmio de US$ 1,4 milhão do Nobel de Medicina com Elizabeth Blackburn e Jack Szostak por resolver um dos grandes problemas da biologia: como os cromossomos podem ser copiados de forma completa durante o processo de divisão celular e como se protegem da degradação. Essa pesquisa tem implicações no tratamento de doenças degenerativas associadas ao envelhecimento e também no tratamento de câncer.

Acesse a entrevista na íntegra em pdf (Folha de S.Paulo – 19/10/09)

Para repercutir esse tema e ouvir especialistas brasileiras, indicamos as seguintes fontes:

Helena Nader – bioquímica
Instituto de Bioquímica da Unifesp
(11) 5571-5000 / 7617-9142
[email protected]
Fala sobre: pesquisas com células-tronco

Maria Teresa Citeli – socióloga
Instituto de Geociências, Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp
(19) 3521-4555 / 9854-1813
[email protected]
Fala sobre: ciência; jornalismo científico; mulheres cientistas

Mayana Zatz – geneticista
Departamento de Biologia do Instituto de Biociências da USP
(11) 3091-7563 / 8124-5476
[email protected] / [email protected]
Fala sobre: pesquisas com células-tronco

Compartilhar: