21/08/2012 – Brasil aprova novo medicamento para endometriose

393
0
Compartilhar:
image_pdfPDF
(Folha de S.Paulo) Vantagem do novo medicamento é que ele pode ser ingerido, em vez de injetado, e seu uso pode ser contínuo

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a venda no país do primeiro remédio específico para tratar a dor da endometriose, doença que afeta o endométrio (membrana interna do útero) e atinge 6 milhões de brasileiras.

Segundo os médicos, a principal vantagem do novo medicamento (Allurene) é o uso prolongado e por via oral.
Antes, o único tratamento aprovado para a doença eram drogas que interrompem o funcionamento dos ovários, causado uma menopausa temporária (análogos do GNRH). São administradas por injeção ou aerossol nasal.
O problema é que elas não podem ser usadas por mais de seis meses porque tiram o cálcio dos ossos, levando à perda óssea (osteoporose).
Outra opção (off label, ou seja, usada sem indicação oficial para esse fim) é o DIU Mirena, que bloqueia a menstruação e inibe o crescimento do endométrio. Mas muitas mulheres não se sentem confortáveis com ele.
Para o ginecologista da Unicamp Carlos Alberto Petta, o Allurene não é a droga definitiva para tratar endometriose, mas é a única novidade nos últimos anos.
Estudos clínicos demonstraram que o remédio alivia, principalmente, as dores menstruais e as que surgem durante relação sexual.
Petta afirma, porém, que ainda não foram estudados os efeitos do remédio em grupos específicos de mulheres com endometriose, como aquelas em que a doença já se instalou no intestino ou na parede externa dos ovários (endometrioma).
AÇÃO DO REMÉDIO
O remédio é um repositor hormonal que inibe a produção do estrógeno no endométrio- o estrógeno é que alimenta a doença.
Segundo o ginecologista Maurício Simões Abrão, professor da USP, o medicamento pode causar alteração do sangramento menstrual.
Outros efeitos colaterais são dores de cabeça, desconforto nos seios e depressão.
O preço da droga, em torno de R$ 170 (para cada caixa com 28 comprimidos de 2 mg), é um outro fator limitante para mulheres com poder aquisitivo menor.

Petta e Abrão também alertam que ainda não há cura para a doença e que o tratamento deve ser adaptado para cada paciente. “Não existe uma única abordagem ideal”, diz Petta.

Estudos demonstram que quase metade das mulheres com endometriose pode sofrer de infertilidade.
O diagnóstico costuma ser tardio. A mulher leva, em média, sete anos entre o início dos sintomas e a detecção e tratamento da doença.
DEMORA
Entre as mais jovens (abaixo dos 20 anos), o tempo é ainda maior: 12 anos.
“A demora do diagnóstico está claramente associada ao avanço da doença”, diz Abrão. Falta de informação e acesso aos serviços de saúde são as principais motivos.
Segundo Abrão, o Ministério da Saúde estuda montar um programa com capacitação de médicos do SUS para um diagnóstico mais rápido e eficaz da doença. Hoje, o tratamento está disponível, principalmente,em centros médicos ligados às universidades públicas.

Acesse em pdf: Brasil aprova droga para endometriose (Folha de S.Paulo – 21/08/2012)

Compartilhar: