Mulheres nem sempre identificam violência obstétrica na hora; veja por quê

Compartilhar:
image_pdfPDF

A influenciadora Shantal Verdelho criticou a postura do médico responsável pelo seu parto, Renato Kali

(Universa – UOL | 14/12/2021 | Por Ana Bardella)

Nos últimos dias, discussões sobre violência obstétrica ganharam força nas redes sociais: em áudios e vídeos vazados de um grupo de WhatsApp, a influenciadora Shantal Verdelho criticou a postura do médico responsável pelo seu parto, o ginecologista Renato Kalil.

Nos vídeos, o profissional aparece utilizando palavrões e xingamentos durante o procedimento. Já no áudio, que foi direcionado a um grupo de amigas, ela afirma que não consegue assistir à gravação do parto porque é “xingada a todo momento”. Segundo a influenciadora, o ginecologista “fez birra” por ela ter negado se submeter a uma episiotomia — um corte entre o períneo e a vagina, cuja utilidade vem sendo questionada entre a comunidade médica.

À Universa, a assessoria de imprensa do médico enviou um posicionamento negando que tenha acontecido qualquer intercorrência durante o parto e afirmando que o vídeo em questão foi editado e está fora de contexto. “A íntegra do vídeo mostra que não há irregularidade ou postura inapropriada durante o procedimento”, diz a nota.

Após a divulgação do material, muitos colocaram em dúvida a palavra de Shantal. Isso porque logo depois do parto, que aconteceu em setembro, ela postou uma série de vídeos no Instagram contando detalhes sobre o momento, sem demonstrar nenhum tipo de desconforto em relação ao ginecologista.

Nas gravações, ela relembra que passou três dias em trabalho de parto e fala sobre como as contrações se desenrolaram até o nascimento de Domênica, fruto de seu casamento com o também influenciador Matheus Verdelho. Ela diz que suas vontades foram respeitadas pela equipe médica e usa a palavra “emocionante” para descrever o momento.

Acesse a matéria no completa no site de origem 

Compartilhar: