27/01/2011 – Creative Commons põe ministra na defensiva (Estadão/Folha)

503
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(O Estado de S. Paulo/Folha de S.Paulo) “A ministra [Ana de Hollanda] demonstrou nervosismo e impaciência ao ter de explicar sua decisão de tirar do site do Ministério da Cultura as licenças Creative Commons, fato noticiado pelo Estado na semana passada. A decisão gerou gritaria entre os militantes da cultura digital – Ana chegou a ser chamada de ‘Ministra do Ecad’ no Twitter por ter usado argumentos conservadores em defesa do copyright. ‘Eu totalmente sou a favor da cultura digital. Vamos usar os Pontos de Cultura para disseminar as culturas digitais’, reagiu.” – Creative Commons põe ministra na defensiva (O Estado de S. Paulo – 27/11/2011)

Deu na coluna Toda Mídia, do jornal Folha de S.Paulo:

COMEÇA O RETROCESSO

Já em dezembro surgiram as primeiras reações, quando Ana de Holanda foi indicada para a Cultura. Blogs postaram que a escolhida de Dilma mudaria a diretriz do governo anterior para ‘propriedade intelectual’.

No meio desta semana, Sérgio Amadeu, acadêmico e ativista de software livre, postou, ‘urgente!’, que ‘começa o retrocesso”, com a retirada da licença Creative Commons do site do ministério. Ato seguinte, o blog de Renato Rovai, que organizou a entrevista de Lula com blogueiros “progressistas” no final do mandato, postou que a nova ministra abre “guerra ao livre conhecimento’. O confronto avançou pelo fim de semana com a defesa da nova ministra via ‘O Globo’.”

“Este blog também apurou que Ana de Holanda pretende nomear para a Diretoria de Direitos Intelectuais da Secretaria de Políticas Culturais o advogado Hildebrando Pontes, que mantém um escritório de Propriedade Intelectual em Belo Horizonte e que é aliado das entidades arrecadadoras.” – Ministra da Cultura dá sinais de guerra ao livre conhecimento, por Renato Rovai (Novae – 23/01/2011)

“Em breve conversa com jornalistas ontem à tarde, enquanto acompanhava a reinauguração da Biblioteca Mário de Andrade, a ministra [Ana de Hollanda] reiterou argumento utilizado em comunicado distribuído pelo ministério: ‘A Constituição permite que o autor libere seus direitos. Só achei inadequado que tivesse esse logo no site’, afirmou. Mas esse mesmo logo havia sido colocado, por exemplo, no blog do Planalto. ‘Ele representava uma política de governo’, diz o sociólogo Sergio Amadeu, conhecido pela defesa do software livre.” – Direito autoral toma a agenda de Ana de Hollanda em SP (Folha de S.Paulo – 26/01/2011)

Compartilhar: