Intrusas no gramado: Como o ambiente machista ataca mulheres que se atrevem a trabalhar com esporte

810
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Faltam mulheres. Sobram clichês e preconceitos

(UOL, 07/12/2016 – acesse a íntegra no site de origem)

As mulheres já chegaram à presidência da República, ao comando da principal corte de Justiça e à direção da maior companhia aérea nacional. Mas, no país do futebol, o jornalismo esportivo parece ser a última fronteira de afirmação da competência feminina. É quase um território à parte, em que a cultura tipicamente masculina revela indisfarçável sensação de incômodo com a presença do sexo oposto.

Na TV fechada, apenas 13% dos profissionais que aparecem na frente da tela são mulheres, quase todas elas na reportagem. As incursões femininas na narração chegam ao público ainda com caráter meio experimental, sem nenhuma pessoa de fato neste cargo. Já entre as comentaristas contratadas, o mercado só conta com três profissionais do gênero. Muito além da figura quase decorativa da “leitora de e-mails de internautas”, aquela que consegue oportunidade de emitir opinião em programas de debate às vezes parece ofender a cabeça do torcedor médio – e mesmo a de colegas de profissão ou a de personagens do mundo do futebol. Nenhuma das famosas “mesas redondas” esportivas conta com a presença de mais de uma comentarista ao mesmo tempo.

As profissionais femininas precisam de força para provar a todo instante que têm competência para falar de futebol – no nível de um homem, ou melhor do que eles, por que não? Mas, no debate da TV, elas são tratadas como “musas” ou como “café com leite”, quando a discussão entra em um patamar de profundidade de esquemas táticos, lei do impedimento e afins. Já no dia a dia, entre gracejos de jogadores e ameaças nas redes sociais, as jornalistas que expõem seus rostos e comentários na tela confrontam uma enraizada cultura machista. Para aquelas que empunham microfones em estádios, ouvir xingamentos é um triste padrão.

O problema não vem apenas das arquibancadas. Superar cantadas e comentários ofensivos no próprio meio, de treinadores, jogadores, dirigentes e até de colegas de profissão, é recorrente. Em entrevistas, são perguntadas sobre futebol, como se o esporte fosse exclusivo para homens. Algumas jornalistas dos casos relatados preferiram não se expor e pediram anonimato.

Compartilhar: