Se mulheres e homens ganhassem salários iguais, PIB mundial seria 26% maior, diz OIT

601
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Estudo embasa campanha internacional para igualdade de gênero nas empresas

(O Globo, 29/08/2018 – acesse no site de origem)

Se mulheres e homens tivessem o mesmo salário e igual papel no mercado de trabalho, o PIB mundial cresceria 26%. A estimativa, da Organização Mundial do Trabalho (OIT), está sendo usada como mote para promover a igualdade de gênero em empresas. Batizado de “ganha ganha”, ou “win win”, em inglês, o programa é liderado pela ONU Mulheres em parceria com a OIT e União Européia e pode ter impacto no Brasil.

— O Brasil é ainda um país muito machista e racista e o motor da mudança será o setor privado — afirma Carlo Pereira, secretário executivo da Rede Brasil do Pacto Global, durante evento da ONU Mulheres em São Paulo

Luiza de Carvalho, diretora da ONU Mulheres para as Américas e Caribe, também acredita que o setor privado deve liderar as mudanças sociais.

O desafio de promover a igualdade de gênero não é exclusivo do Brasil. Na União Europeia, 44% das mulheres com idade entre 30 e 44 anos têm diploma universitário. Entre os homens o percentual é menor, de 34%, mas mesmo assim elas seguem subrepresentadas nos cargos de direção e com salários menores do que o dos homens que exercem a mesma função.

— É um absurdo. Estamos em 2018. Já colocamos gente no espaço e ainda estamos falando de igualdade de gênero no trabalho — diz João Cravinho, embaixador da Delegação da União Europeia no Brasil.

Segundo Cravinho, 44% dos europeus ainda acham que cabe às mulheres os cuidados com a família e a casa e em um terço dos países da Comunidade Europeia esse percentual é ainda maior, de 70%.

— Também temos um longo caminho a percorrer — admite.

Martin Hahn, diretor da OIT no Brasil, garante que existe hoje, por parte das empresas, interesse de colocar em prática a igualdade de gênero:

— As mulheres não são apenas trabalhadoras. São consumidoras. E o conceito de empresa sustentável é hoje muito próximo ao do trabalho decente — explica.

A prévia de um estudo que será lançado pela OIT apenas em 2019 dá indícios de que as empresas podem ganhar com a adoção de programas de igualdade de gênero. Elas relatam ter conseguido melhorar seus produtos e atuar com mais criatividade no mercado, além terem se tornado mais hábil para atrair o interesse dos consumidores.

A despeito dos ganhos promissores para as empresas, as mulheres ainda são minoria em cargos de direção. A pesquisa Insper/Talenses, feita em parceria com a Aliança Para o Emponderamento das Mulheres, feita com 920 empresas no país, mostra que as mulheres seguem em minoria nos cargos de liderança. Ocupam apenas 18% dos postos de presidente, 25 % dos cargos de diretoria, 19% entre vices-presidentes e 13% entre conselheiros de empresas.

Por Cleide Carvalho

Compartilhar: