Valesca relata assédio sexual e dá conselhos em livro de ‘autoajuda’

Compartilhar:
image_pdfPDF

Em ‘Sou dessas’, funkeira incentiva mulheres a denunciar violência. Cantora se diz a favor de ‘castração química’ e contrária ao aborto.

(G1, 07/09/2016 – acesse no site de origem)

Entre fotos com carão e outras lendo Simone de Beauvoir, Valesca, dona de hits como “Beijinho no ombro”, levanta a bandeira feminista, discorre sobre todo o tipo de polêmica, dá conselhos e conta parte de sua história nas 192 páginas de “Sou dessas: pronta pro combate” (editora Record), seu primeiro livro.

Em um dos capítulos, ela lembra do episódio em que queimou com uma escova modeladora o pênis do contratante de um show, que a assediou em um camarim. Na época, ainda era vocalista da Gaiola das Popozudas, onde começou a carreira no funk.

No livro, a cantora conta que o homem entrou no lugar quando ela estava de lingerie, se preparando para a apresentação, lhe fez propostas indecentes e colocou o pênis para fora da calça. Furiosa, ela decidiu se vingar depois de pedir que ele saísse, sem ser atendida.

Ao G1, Valesca diz que o trecho foi um dos mais difíceis de escrever, assim como as passagens sobre agressões sofridas por sua mãe. “Relembrar é delicado, gera emoções boas e ruins”, afirma.

Esses relatos servem de pano de fundo para a principal mensagem do livro: o incentivo para que mulheres denunciem casos do tipo. “Na época do assédio, por exemplo, me calei, mas isso deixa marcas e, se você esconde, elas ficam em você, além de a pessoa ficar impune. Qualquer violência deve ser denunciada.”

‘Se ame, se aceite’

Mas não é só sobre violência que Valesca dá conselhos. Há capítulos especialmente dedicados a elevar a autoestima dos leitores, com dicas sobre amor próprio, aceitação da identidade de gênero, empoderamento feminino e liberdade sexual.

Ela não rejeita o rótulo de autoajuda. “Falei de família, de trabalho, de tudo um pouco, mas não acho que seja uma biografia, porque aí teria que contar minha história desde o nascimento. Pode ser autoajuda, sim, para pessoas que se identificam ou não com a minha história”, avalia.

Capa do livro (Foto: Divulgação)

Capa do livro (Foto: Divulgação)

Feminismo

A funkeira, que já foi definida como”pensadora contemporânea” e é considerada por alguns um ícone feminista, usa a defesa das mulheres como mote em todo o livro. Diz ter nascido de um “útero feminista” e orienta as leitoras contra relacionamentos abusivos – além de contar já ter vivido um. Argumenta ainda que elas têm mais “senso de honestidade” e, em um capítulo sobre estupro, defende a “castração química” dos agressores.

Mas também se posiciona contra o aborto, apesar de concordar com a opção em caso de estupro ou gravidez de risco e ver como “válida” a discussão em torno da legalização.

“Uma das intenções [do livro] é fazer com que as mulheres se unam mais. A gente pode conseguir muito mais do que já conseguimos”, explica. “Temos que vencer o medo e parar de ligar para o que outras pessoas estão pensando.”

Escrito por Valesca a convite da editora, “Sou dessas” foi lançado durante a Bienal do Livro de São Paulo, em agosto. O livro reúne, além da funkeira, a ex-BBB Ana Paula Renault, que assina o prefácio, e a atriz Suana Vieira, responsável pela orelha.

Carol Prado

Compartilhar: