Reduzir os casos de feminicídio: um desafio para 2022, por Ireuda Silva

Compartilhar:
image_pdfPDF

Uma mulher pode ser assassinada mais de uma vez: quando a culpam por ter sido morta, quando a culpam por ser mulher

(NEXO Jornal | 21/01/2022 | Por Ireuda Silva)

Nos anos de 2020 e 2021 houve uma explosão dos casos de violência contra a mulher e feminicídio, muito em razão, como já apontamos anteriormente, da maior proximidade do agressor com suas vítimas, uma proximidade ocasionada pela pandemia. O Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de feminicídio, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Em 2020 houve um aumento de 22% da ocorrência desse tipo de crime: entre março e agosto, um feminicídio era cometido a cada nove horas. Já no primeiro semestre de 2021, os assassinatos de mulheres atingiram o maior patamar desde 2017, somando pelo menos quatro por dia. Diante desse trágico cenário, devemos assumir o compromisso de baixar essa curva em 2022.

Ireuda Silva

Mãe, palestrante, ativista social, racial e de gênero e vereadora de Salvador (Republicanos). Iniciou sua carreira no mundo empresarial, foi coordenadora da Iurd TV, canal da Igreja Universal do Reino de Deus, durante 18 anos e criou o projeto Mulheres Notáveis, que se dedica a promover a autoestima e a autoafirmação da mulher. Atualmente, é graduanda em gestão pública e está no segundo mandato como vereadora, após ter sido reeleita com 12.098 votos (a mulher mais votada da Bahia). Na Câmara Municipal de Salvador, é presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e vice-presidente da Comissão de Reparação. Criou a campanha carnavalesca, reconhecida internacionalmente, “Meu corpo não é sua fantasia”, que visa alertar para o assédio sexual e a violência contra a mulher.

Acesse o artigo completo no site de origem

 

Compartilhar: