Fórum de Mulheres pede no Brasil a libertação das meninas nigerianas

962
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Portal EFE, 27/05/2014) O Fórum das Mulheres, que começou nesta segunda-feira na cidade de São Paulo com a participação de 600 representantes de 22 países, pediu a libertação das mais de 200 meninas sequestradas há mais de um mês na Nigéria pela milícia radical islâmica Boko Haram.

Durante a abertura do Women’s Forum, a presidente do grupo, Jacqueline Franjou, pediu que as participantes dedicassem os dois do encontro às estudantes nigerianas e “às mulheres que sofrem qualquer tipo de violência”.

O apelo de Franjou acontece no mesmo dia no qual o exército da Nigéria assegurou ter localizado as meninas, sequestradas no último dia 14 de abril em uma escola de Chibok.

Fórum das Mulheres, que começou nesta segunda-feira na cidade de São Paulo com a participação de 600 representantes de 22 países, pediu a libertação das mais de 200 meninas sequestradas há mais de um mês na Nigéria pela milícia radical islâmica Boko Haram. EFE/Arquivo

O encontro, em que mulheres de todo o mundo se pronunciam sobre diferentes questões sociais e econômicas, centrou a agenda desta nova edição na necessidade de promover a saúde, a educação e o bem-estar das meninas e mulheres em todos os países do mundo.

“É preciso investir mais nas meninas, na educação, na saúde e no acesso igualitário ao crédito para as mulheres de modo que possamos incentivá-las a se tornarem empreendedoras, promovê-las dentro das corporações e protegê-las no mundo todo”, comentou Franjou em seu discurso de abertura.

A reunião termina amanhã com um dia centrado no problema da violência contra as mulheres, no qual será analisado como o machismo alimenta a violência doméstica.

Durante dois dias, mulheres representantes dos diferentes setores da sociedade debatem aspectos como o que a sociedade precisa para prosperar, o impulso do talento e a responsabilidade das corporações no cumprimento dos direitos humanos.

Acesso o PDF: Fórum de Mulheres pede no Brasil a libertação das meninas nigerianas

 

 

Compartilhar: