Corregedoria vai investigar policiais acusados de agredir travesti em São Paulo

1115
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Agência Brasil, 16/04/2015) A travesti Verônica Bolina acusou policiais militares e civis de agressão no momento de sua prisão, no 2º Distrito Policial (DP), em São Paulo, segundo nota divulgada pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. O caso está sendo investigado pela Corregedoria da Polícia Civil, informou a Secretaria de Segurança Pública do estado.

Leia mais:
Planalto e OAB cobram polícia de SP por travesti espancada (Folha de S. Paulo, 16/04/2015)
Em defesa de Verônica Bolina, por Jarid Arraes (Portal Fórum, 15/04/2015)
Presa, negra e travesti: devemos ser todas Verônica, por Renan Quinalha (A Ponte, 15/04/2015)

Para o Centro de Cidadania LGBT (sigla para lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) da secretaria, Verônica declarou ter sofrido agressão em vários momentos por parte de policiais militares vestidos de preto. Segundo o órgão, ela denunciou as ações dos agentes do Grupo de Operações Estratégicas (GOE) no momento da prisão; durante o episódio em que atacou o carcereiro da Polícia Civil, por causa de uma troca de cela; e no Hospital do Mandaqui, quando ocorria o atendimento médico.

Verônica foi presa em flagrante na última sexta-feira (10), acusada de tentar matar uma vizinha idosa. Ela vai responder por dano qualificado, lesão corporal, desacato e resistência, de acordo com Boletim de Ocorrência. No domingo (12), no 2º DP, Verônica teria exposto “a genitália e começado a se masturbar” dentro da cela, o que incomodou os outros presos.

Para conter a situação, um carcereiro entrou na cela para retirá-la, quando Verônica o atacou com uma mordida na orelha. De acordo com nota da Secretaria de Segurança Pública de SP, o delegado Luiz Roberto Hellmeister disse que Verônica se machucou durante esses confrontos.

Segundo o Núcleo Especializado de Combate à Discriminação, da Defensoria Pública, há indícios de tortura, maus-tratos e constrangimento por parte dos policiais, na prisão e na contenção de Verônica, devido às fotos, nas quais é possível ver seu rosto desfigurado, e também pelo vazamento de um áudio, no qual ela isenta os policiais da agressão. As defensoras envolvidas no caso são Juliana Beloque, Vanessa Alves e Áurea Maria de Oliveira.

A Defensoria Pública alega que, ainda que ela tivesse de ser contida, a ação não justificaria o rosto desfigurado. Além disso, não foi garantida a entrevista reservada entre Verônica e as defensoras públicas, o que poderia configurar constrangimento. O delegado e um carcereiro permaneceram na sala, dizendo que ela deveria falar a verdade.

As defensoras querem saber ainda como e quem gravou o áudio, pois a gravação ocorreu no período em que Verônica estava sob custódia de policiais – agentes do Estado que devem garantir a integridade do detido, segundo a entidade.

A Defensoria solicitou à 1ª Vara do Júri da capital que Verônica seja encaminhada ao Fórum da Barra Funda para entrevista, em local reservado, com as defensoras, e depois passe por audiência de custódia com um juiz. A assessoria de imprensa do Fórum não soube informar o andamento do pedido, e a Secretaria de Segurança de SP comunicou que Verônica já foi transferida para o sistema prisional.

Grupos de defesa dos direitos LGBT criaram uma campanha de apoio a Verônica no Facebook, com a hashtag #somostodasVerônica.

Camila Boehm

Acesse no site de origem: Corregedoria vai investigar policiais acusados de agredir travesti em São Paulo (Agência Brasil, 16/04/2015)

Compartilhar: