Intolerância brutal: Brasil hostiliza relações entre pessoas do mesmo sexo, por Flávia Oliveira

1400
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(O Globo, 11/03/2015) Se há chance de a homofobia ter matado Peterson, é porque o Brasil, de fato, hostiliza relações entre pessoas do mesmo sexo

Um elenco para lá de talentoso cantava a vida de Cássia Eller, anteontem à noite, no Rio. A trajetória da cantora de voz rascante e olhar tímido, reproduzidos à perfeição pela protagonista do musical, Tacy Campos, é um libelo à liberdade de amar. No palco, as paixões desfilam com a naturalidade que merecem ter. Num dado momento, a plateia até ensaiou um alívio, porque uma impossibilidade da convivência de Cássia e Maria Eugênia, o casamento civil, foi superada na década seguinte à morte da cantora, em 2001, após decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Infelizmente, na saída do teatro, a brutalidade da vida real tomou o ar, sem cerimônia. Horas antes, morria, em Ferraz de Vasconcelos (SP), Peterson Ricardo Teixeira de Oliveira, o estudante de 14 anos que teria sido agredido dentro da escola por ser filho de um casal homossexual.

Leia também:  Escolas não estão preparadas para combater homofobia, dizem especialistas (Correio Braziliense, 11/03/2015)

O episódio comoveu corações que creem na igualdade e renegam o ambiente de intolerância, que se alastra pelo país em discursos e atos de autointitulados homens de Deus. Com Peterson internado, os pais teriam descoberto perseguições e agressões físicas aplicadas por colegas. A Secretaria estadual de Educação nega briga em sala de aula no dia em que o estudante foi hospitalizado. A polícia investiga.

Qualquer que seja o resultado do inquérito, a sociedade brasileira já é culpada. Se a hipótese de a homofobia estar por trás da morte do adolescente causou mais indignação do que incredulidade, é porque o Brasil, de fato, hostiliza as relações entre pessoas do mesmo sexo.

Setores conservadores da política e da religião tratam a homossexualidade como doença, diagnóstico banido pelo Conselho Federal de Psicologia em 1985. Insurgem-se contra o casamento gay, instituído em resolução do CNJ há dois anos. Ameaçam proibir a adoção por casais do mesmo sexo e restringir a definição de família aos pares formados por homem e mulher. E permitem uma escalada de violência homo e transfóbica, que tirou a vida de 312 pessoas só em 2013, segundo o Grupo Gay da Bahia. O assunto até mereceu referência em texto sobre o Brasil no recém-lançado informe da Anistia Internacional sobre direitos humanos no mundo em 2014-2015.

Peterson morreu no mesmo dia em que, ao sancionar a Lei do Feminicídio, Dilma Rousseff lembrou o país da ocorrência dos crimes de racismo contra os negros e de intolerância e violência contra os LGBT. “Existem brasileiros que enxergam como exagero essa lei. Consideram excessivas leis que punem os racistas, porque acham que não há racismo no Brasil; não veem razão para leis que punam a violência contra a população LGBT, porque acham que a homofobia não é um problema relevante… Essa visão do mundo, ela não é real e nós não a aceitamos”, declarou a presidente da República.

Que não sejam “Palavras apenas/ Palavras ao vento”, como nos versos da canção de Moraes Moreira e Marisa Monte imortalizada na voz de Cássia Eller. Na campanha à reeleição, Dilma prometeu empenho para aprovar a legislação que criminaliza a homofobia. Um texto de 2006 foi arquivado no Senado no início deste ano, após tramitar, sem avanços, por duas legislaturas seguidas. A retomada do projeto, que sofre resistência da bancada evangélica e também do Exército, seria justa homenagem a tantos brasileiros que tombaram em razão da discriminação homicida que envergonha o país.

Acesse o PDF: Intolerância brutal: Brasil hostiliza relações entre pessoas do mesmo sexo, por Flávia Oliveira (O Globo, 11/03/2015)

Compartilhar: