Parada Gay chega aos 18 com apelo contra a violência

938
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Folha de S.Paulo, 04/05/2014) Considerada uma das maiores do mundo, manifestação anual na avenida Paulista pedirá fim da intolerância. Concentração começa às 10h de hoje em frente ao teatro Gazeta; percurso deve terminar às 19h, na Consolação

A Parada do Orgulho Gay de São Paulo, considerada uma das maiores do mundo, entra hoje em sua maioridade voltada para o combate à violência contra homossexuais no país.

Relatório divulgado em fevereiro pelo Grupo Gay da Bahia indicou que, em 2013, o país registrou 312 assassinatos de gays, travestis e lésbicas, sendo os Estados de Pernambuco e São Paulo os mais violentos para esse público.

Apesar de o número ter recuado 7,7% em relação ao de 2012, as organizações gays colocam o Brasil como um dos países mais violentos do mundo com o segmento.

“Precisamos criminalizar a ‘homolesbotransfobia’ [fobia contra as diversas orientações sexuais] e vamos usar a parada deste ano para cobrar isso. Ninguém aguenta mais os relatos de crimes cruéis praticados contra gays no Brasil”, afirma Fernando Quaresma, presidente da associação que organiza o ato.

Para Quaresma, a maioridade do evento marca também um momento de comemorar conquistas que o movimento gay realizou ao longo dos últimos 18 anos.

“Vivíamos na invisibilidade. Relações entre gays não existiam para a sociedade. Avançamos no reconhecimento de nossos parceiros para fins de previdência e de dependência em planos de saúde, sem falar no casamento entre pessoas do mesmo sexo, que hoje é permitido em todos os cartórios do país.”

Uma das maiores novidades para a 18ª edição do evento foi a inédita divulgação de apoio da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo aos direitos dos gays.

O órgão cobrou em nota às pessoas de “boa vontade e, em particular, a todos os cristãos” que reflitam sobre as “profundas injustiças” a que está exposto o público LGBT e que se empenhem ativamente na sua superação.

OCUPAÇÃO

De acordo com a Secretaria Municipal do Turismo, R$ 3,2 milhões são movimentados com a parada, principalmente pelos cerca de 80 estabelecimentos voltados para o público gay na cidade, como bares, restaurantes, casas noturnas, saunas e clubes de sexo.

A ocupação de hotéis econômicos da região da avenida Paulista e do centro, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado de São Paulo, ficou em torno de 90% com o evento.

No ano passado, segundo o Datafolha, 220 mil pessoas estiveram na parada, que foi prejudicada pela chuva.

A previsão do tempo indica sol para este domingo, com chance de pancadas de chuvas rápidas e isoladas.

A concentração para a parada começa às 10h, em frente ao teatro Gazeta. Os 14 trios-elétricos começam a desfilar ao meio-dia. O evento deve se encerrar às 19h, na rua da Consolação, em frente à igreja de mesmo nome.

A partir das 19h, shows musicais gratuitos vão fechar as comemorações em torno do orgulho gay na avenida Ipiranga.

Acesse o PDF: Parada Gay chega aos 18 com apelo contra a violência (Folha de S.Paulo, 04/05/2014)

Compartilhar: