A ativista Maria Amélia Teles defende que a Lei Maria da Penha seja prioridade no governo Dilma Rousseff (APG)

622
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Agência Patrícia Galvão) Maria Amélia Teles, ativista de Direitos Humanos e coordenadora da ONG União de Mulheres de São Paulo, defende que a Lei Maria da Penha seja prioridade no governo de Dilma Rousseff:

Plano de trabalho

“Há poucas leis no país com um olhar tão abrangente para a vítima como a Lei Maria da Penha. Porém, na prática a Lei Maria da Penha ainda está sendo ignorada.

São Paulo é um dos estados que mais desvaloriza a implementação da Lei Maria da Penha. Não temos delegacias da mulher funcionando 24 horas; precisamos de mais casas-abrigo. Os sindicatos estão sendo pouco mobilizados, embora, de acordo com a Lei, a vítima deva ser afastada do trabalho até o problema ser solucionado.

Dilma Rousseff deve exigir, por meio da SPM (Secretaria de Políticas para as Mulheres), um plano de trabalho do Judiciário, da polícia, do Ministério Público e da rede social, para que se preparem, discutam e entendam a Lei Maria da Penha.”

Contato:

amelia_telesMaria Amélia de Almeida Teles (Amelinha) – ativista de Direitos Humanos, coordenadora do Programa de Promotoras Legais Populares e da ONG União de Mulheres de São Paulo
São Paulo/SP
(11) 3106-2367 / 9601-4800 [email protected]

Compartilhar: