SPM repudia a violência sofrida por uma delegada delegada e segurança agredidas em Minas Gerais

760
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Nesse domingo (18) um caso de violência contra a mulher foi divulgado nas redes sociais e nos meios de comunicação e chocou pela brutalidade. Um comerciante de 34 anos, agrediu a esposa, delegada da DEAM (Delegacia de Amparo à Mulher) de Três Corações (MG) e em seguida, com tapas e chutes agrediu a segurança do clube onde encontravam, de 23 anos.

(SPM, 19/12/2016 – acesse no site de origem)

A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM) presta solidariedade às vítimas, e ainda repudia este ato e todo o qualquer violência praticada contra às mulheres. Esperamos que a justiça puna de forma exemplar o comerciante pelos crimes praticados.

Esse caso representa uma triste realidade no país: a violência contra as mulheres. Mesmo após os avanços conseguidos pela Lei Maria da Penha e a criação da Rede Nacional de Proteção à Mulher – composta pelo Ministério Público, Justiça Federal, Defensoria Pública, Organismos de Políticas para as Mulheres e Sociedade Civil, milhares de mulheres sofrem agressões em todo o país.

Na Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, no primeiro semestre de 2016, mais de 86% do total de 67.962 relatos de violência se referia a algum tipo previsto na Lei Maria da Penha. A Lei e a violência doméstica e familiar também correspondem a 25% das informações prestadas pela Central no 1º semestre de 2016.

Saiba mais

Qualquer cidadão pode denunciar casos de violência basta ligar para o número 180 com os dados da violência e fazer uma denúncia. Pela Central de atendimento também é possível conhecer a Lei, os tipo de violência que são previstos, onde está localizado um ponto de atendimento mais próximo, entre outras informações.

Além da violência física, a Lei Maria da Penha também pune as agressões psicológicas, morais, patrimoniais e sexuais.

Comunicação Social

Compartilhar: