Vítima de estupro coletivo volta a ser molestada por criminoso em viatura

1048
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Adolescentes agressores foram levados para delegacia no mesmo carro que vendedora; na DP, ao registrar ocorrência, agente usou termos vulgares

(O Estado de S. Paulo, 22/10/2016 – acesse no site de origem)

A Polícia Civil e a Polícia Militar abriram procedimentos para investigar a conduta de seus agentes ao atenderem caso de estupro coletivo de uma mulher de 34 anos. A vítima foi conduzida à delegacia ao lado dos seus agressores e voltou a ser molestada no carro da PM. Na delegacia, o agente escreveu termos vulgares ao registrar a ocorrência, como “só gritou quando empurraram um galho de árvore na sua bunda”. Dois adolescentes foram apreendidos pelo crime. Era o quarto ataque sexual que a mulher sofria do mesmo grupo.

Leia mais:
Delegada pedirá proteção para vítima de estupro coletivo em São Gonçalo (O Globo, 24/10/2016)
Vítima de estupro coletivo no Rio confirma participação de 10 homens no crime (Agência Brasil, 23/10/2016)
Vítima de um estupro coletivo em São Gonçalo se diz constrangida com a forma como o crime foi registrado (Extra, 21/10/2016)
Mulher é estuprada por dez homens em São Gonçalo; dois menores são apreendidos em flagrante (Extra, 20/10/2016)

O caso foi revelado pelo jornal Extra. A vendedora X., de 34 anos, foi atacada na madrugada de segunda-feira, 17. Ela estava em um bar com um amigo, no bairro Lagoinha, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, quando quatro jovens ligados ao tráfico da região a arrastaram para o banheiro do bar. De lá, ela foi levada para uma rua deserta e com pouca iluminação, onde passou a ser estuprada pelo grupo. Um carro do 7º Batalhão da PM (São Gonçalo) passou pelo local, a encontrou nua e a socorreu.

Vítima de estupro coletivo volta a ser molestada por criminoso em viatura

Vítima foi levada para a 74ª DP (Alcântara), em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro (Foto: Foto: Google Street View/Reprodução)

Mais à frente, os policiais encontraram os adolescentes, que foram reconhecidos pela mulher. Eles foram detidos e sentaram na mesma viatura, ao lado da vítima. No caminho para a delegacia, um deles alisou sua perna e a ameaçou: “Fica tranquilinha, vai dar tudo certo”.

A vendedora foi levada para a 74ª Delegacia de Polícia (Alcântara), que não tem Núcleo de Atendimento à Mulher nem seguiu o novo protocolo da Polícia Civil para atendimento de vítimas de violência sexual, que prevê “atendimento humanizado à vítima, proporcionando condições necessárias para que ela possa comunicar a violência sofrida”.

No registro de ocorrência, o policial escreveu expressões como “boquete triplo”, “fizeram anal e vaginal”, “não usaram camisinha, no pelo”, e ainda “que a declarante só gritou quando empurraram um galho de árvore na sua bunda”.

Clarissa Thomé

Compartilhar: