Intelectual e feminista: Lélia Gonzalez, a mulher que revolucionou o movimento negro

Compartilhar:
image_pdfPDF

“Foi uma grande revolucionária e evidenciou a posição estratégica das mulheres negras na sociedade brasileira”

(Brasil de Fato, 01/02/2018 – acesse no site de origem)

Independente, revolucionária e feminista negra. Antropóloga, filósofa e intelectual, Lélia d’Almeida Gonzalez, se estivesse viva, completaria 83 anos nesta quinta-feira (1º).

Nascida em Belo Horizonte (MG), Gonzalez colocou sua intelectualidade a serviço da luta das mulheres no Brasil. De origem pobre, ainda jovem, trabalhou como babá. Se graduou em História e Filosofia, passando a lecionar na rede pública de ensino e, posteriormente, já na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), lecionou Antropologia e Cultura Popular Brasileira, chegando a ser diretora do departamento de Sociologia e Política.

“Ela foi uma das grandes revolucionárias desse país. Sua crítica evidenciou que as mulheres negras tinham uma posição estratégica, tanto no movimento negro, quanto no feminista” diz a arquiteta e urbanista Joice Berth, integrante do Coletivo Imprensa Feminista.

Por meio da psicanálise, do Candomblé e do contato com a cultura brasileira, Lélia assumiu sua condição de mulher negra. Em sua militância, trouxe reflexões sobre a realidade das mulheres, principalmente negras e indígenas.

“Ela despertou para a questão do espaço físico e urbano, em Lugar de Negro, ela critica o problema racial que está impregnado na superfície da cidade e na formação da periferia” ressalta Berth.

A autora foi além de seu tempo e conseguiu apontar o racismo e o sexismo existentes na sociedade brasileira, como comenta a jornalista, integrante da Marcha das Mulheres Negras Juliana Gonçalves: “É uma figura de importância ímpar para toda a sociedade, inclusive para as mulheres brancas. Foi uma das primeiras mulheres negras que conseguiu ter voz e vez em seminários e encontros internacionais de mulheres aqui na América Latina”.

Lélia participou do Instituto de Pesquisa das culturas negras (IPCN-RJ), do Movimento Negro Unificado (MNU) e do Nzinga Coletivo de Mulheres Negras. Sua produção intelectual também é vasta. É autora de obras como Festas populares no Brasil, premiado na feira de Frankfurt, e da já mencionada Lugar de negro, feita em parceria com Carlos Hasenbalg. “O nível de elaboração da Lélia era muito refinado, ao mesmo tempo em que era fácil compreender o que ela estava falando”, observa Gonçalves.

Com base em seus estudos, deu origem ao conceito de Amefricanidade, enfocando a questão do negro da diáspora. “Ela bebeu muito dos EUA, mas nunca perdeu o vínculo do que é ser mulher negra, brasileira, da América Latina”, completa Gonçalves.

Para além da academia, Lélia também teve importante atuação política. Nos anos 1980, foi indicada para o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM) e, em duas ocasiões — em 1982 e 1986 — foi candidata a deputada federal, conquistando a suplência em ambas as oportunidades.

Faleceu aos 59 anos, no Rio de Janeiro, em 10 de Julho de 1994, vítima de problemas cardiorrespiratórios. Lélia Gonzalez é considerada um dos grandes nomes do movimento negro contemporâneo.

Letícia Fialho; Edição: Vanessa Martina Silva

Compartilhar: