Punição branda não inibe racistas

1278
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Jornal de Brasília, 20/11/2014) O Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado hoje, foi instituído oficialmente em 2011. Desde então, é feriado em apenas 18,8% do território brasileiro, o que, para ativistas, demonstra o quanto a questão   ainda é secundária no Brasil. No Distrito Federal, estatísticas   alertam que o problema persiste. E pior: a punição ainda é branda.

Desde a   criação, no ano passado, o Disque Racismo já recebeu mais de 15 mil ligações, das quais 207 são por racismo e injúria racial. Segundo a Polícia Civil, em 2013 houve 430 denúncias por injúria racial e outras quatro por racismo. Neste ano, em apenas dois meses foram  62 ocorrências por injúria e outras três por racismo, uma média de 1,3 ocorrências diárias por injúria.

No DF, Brasília foi a campeã de ocorrências por injúria no ano passado, com 74 casos. E neste ano, Ceilândia tomou a frente, com 12. O Núcleo de Enfrentamento à Discriminação, do Ministério Público do DF, por sua vez, foi provocado 60 vezes  no ano passado e outras 12 neste ano.

Apesar das ocorrências policiais, Viridiano Custódio, secretário  de Promoção a Igualdade Racial (Sepir-DF), é categórico ao afirmar que desconhece um caso em que uma pessoa acusada de racismo tenha permanecido presa. “Embora seja um crime inafiançável e passível de pena de um a três anos de reclusão, não conheço uma pessoa que tenha cumprido a sentença em regime fechado”, destaca.

Flagrante

No começo do ano, uma australiana ofendeu funcionárias e uma cliente de um salão de beleza da   115  Sul. Ela chegou a ser detida, mas não permaneceu presa. O inquérito  policial foi finalizado e encaminhado ao   Judiciário, onde tramita.

Uma das manicures  se mostrou decepcionada com o rumo que o caso tomou. “Até então eu nunca havia sido vítima de preconceito racial. Ela alegou em juízo estar acostumada a fazer isso em seu país. Isso acontece porque a nossa lei é falha. Acredito que leis e, principalmente, penas mais rígidas ajudariam a inibir a ação de pessoas racistas”, desabafou.

Fé no “castigo divino”

Em agosto, o JBr. também mostrou o caso de um flanelinha, vítima de injúria racial. Ao tentar alertar uma motorista que retirava cones, colocados pelo Detran no estacionamento da Quadra 6  do Setor Comercial Sul, Hyeldo Igor Alves,   28 anos, foi chamado de macaco pela condutora do veículo.  Após ter sido alertada por testemunhas de que poderia ser processada, a mulher fugiu.

Igor trabalha no local há cinco anos de forma regular. “Nós, que trabalhamos na rua, estamos constantemente sujeitos a isso. Mas não vou me martirizar, acho que o castigo maior é o divino”, disse.

Para tentar acabar com este tipo de conduta, diversas iniciativas têm sido criadas, com cunho educativo. Na manhã de ontem, um grupo de estudantes do Centro de Ensino 2  de Ceilândia  fez uma ação contra o racismo na Universidade de Brasília (UnB). O movimento  “Lápis cor da pele. Qual pele?” foi organizado para combater o racismo dentro e fora da escola e elevar a autoestima dos alunos.

No projeto, os estudantes desenvolveram redações, fizeram uma árvore genealógica para conhecer a história de seus antepassados e pesquisaram a trajetória de   personalidades negras. Segundo os professores, o passeio pela UnB visa permitir que os alunos conheçam a universidade e se sintam capazes de estudar ali, em breve.

Preconceito até na sala de aula

Eliel de Aquino, professor de Matemática do Centro de Ensino 2  de Ceilândia, diz já ter sido vítima de racismo e injúria racial diversas vezes, até na universidade. “Quando era estudante, pedi para sair mais cedo da aula porque tinha outra atividade, na própria universidade. Assim que saí da sala, o professor ficou indignado e disse aos alunos que tinha ‘um bocado de negrinhos abusados como eu em  sua fazenda’”, lembra.

Ao ser apresentado para as famílias das namoradas, também sofria discriminação. “Muitos pais diziam para as filhas ‘mas ele é negro, como você pode querer namorá-lo?’, como se ser negro fosse uma doença transmissível”, conta.

No shopping, ao fazer uma compra, Eliel   já foi vítima de racismo. “Entrei em uma loja de marca, e, quando já estava  no caixa, seguranças  se aproximaram. Não sei se alguém os acionou ou se eles resolveram verificar se estava tudo certo por conta própria, só sei que chegaram de maneira truculenta. Quando perceberam que estavam equivocados, tentaram disfarçar”.

No exterior

Fora do Brasil, a situação não é diferente. Recentemente, um caso de racismo   na Coreia chocou o mundo. Ao participar de seleção para dar aulas em uma universidade, o professor Sean Jones recebeu, por mensagem de texto, uma resposta dizendo   “Desculpe, Sean, mas eles querem um professor branco”. A mesma mensagem foi enviada  a  outro professor negro. (Colaborou Leonardo Resende)

saibamais

Em homenagem ao Dia da Consciência Negra, ocorre até sexta-feira o evento  Cara e Cultura Negra, a partir das 19 horas, no Panteão da Pátria, Praça dos Três Poderes. Além de apresentações da Orquestra de Berimbaus Afinados e do Grupo Batukenjé, quem comparecer poderá conferir a exposição fotográfica  Áfricas Invisíveis,  do fotógrafo Sérgio Ranalli; palestras com os temas “Comissão da Verdade: sobre a Escravidão no Brasil”, “Memorial da Cultural Afro-Brasileira” e “Fundo Antirracismo”, entre outras atrações. A entrada é franca.

O colégio Ciman  também promoverá uma Hora Cívica da Consciência Negra. O momento será marcado por danças e interpretações representadas pelas turmas do Ensino Fundamental 2 (6º e 9º ano). Além dos estudantes e os professores, a escola receberá familiares dos alunos.

No Centro de Ensino Médio 2 de Ceilândia,  durante todo o mês  estão sendo desenvolvidas  aulas, palestras, oficinas, salas temáticas, desfile e peça teatral. O projeto da escola busca combater o racismo e elevar a autoestima de estudantes negros e pardos. Todos os estudantes, professores e equipe da direção estão envolvidos  com  as atividades.

Ludimila Rocha

Acesse no site de origem: Punição branda não inibe racistas (Jornal de Brasília, 20/11/2014)

Compartilhar: