Racismo e homofobia, o curto-circuito da globalização

2869
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Gazeta do Povo, 23/10/2014) Dos gritos racistas nos estádios de futebol às incitações homofóbicas nos debates presidenciais, passando pelos linchamentos morais disseminados pelas redes sociais, os brados da intolerância ganham cada vez mais decibéis. Na semana em que excretou sua homofobia na tevê, o candidato Levy Fidelix viu o número de curtidas em sua página no Facebook crescer 140%.

E até uma improvável página de “apoio” à torcedora gremista que chamou o goleiro do Santos de macaco se mantém ativa – contra a vontade da própria Patrícia Moreira –, reunindo mais de 6,5 mil curtidores de mensagens como “diga não à miscigenação racial. Se o povo de Israel não se mistura, a gente também tem o mesmo direito”.

Ao mesmo tempo em que gera revolta – e novos xingamentos, numa espiral de desrespeitos – o clima beligerante que contamina discussões públicas como essas provoca reflexões sobre nossa capacidade de aceitar as diferenças. A intolerância está aumentando na sociedade contemporânea? Ou a profusão de casos de racismo, baixaria nas discussões políticas, violência no futebol e brigas no trânsito estariam apenas mais visível pela vitrine das redes sociais?

Para o psicanalista Oscar Ce­sarotto, coordenador do Cen­tro de Estudos em Se­mi­óti­ca e Psicanálise da PUC-SP, o acir­ramento da intolerância se­ria um preço paradoxal que se paga pela globalização. Na mes­ma medida em que há um es­treitamento de fronteiras pe­la tecnologia e a imposição de convívio com diferenças em todo o mundo, esse movi­mento induziria como res­posta um reforço à cultura do gueto, pelo medo do diferen­te. E as redes reforçariam a segregação, ao juntar os “parecidos” e permitir a formação de clubes de amor ou ódio a determinada causa.

“Quanto mais se olha para dentro, mais se detesta o de fora. É uma espécie de curto-circuito da globalização”, diz. Na avaliação dele, essa agudização é especialmente marcante em anos de Copa e eleição, em que todo mundo “quer ganhar” – o que implicaria necessariamente o desejo de que o outro perca. E aí a lógica das torcidas organizadas, do “nós” contra “eles” invade todos os campos de discussão.

Brasileiro: Mito de povo cordial encobre intolerância

A historiadora Zilda Maria Grícoli Iokoi, coordenadora do Diversitas (Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos da USP) e do Programa de Pós-Graduação Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades da USP, concorda que a analogia das torcidas ilustra bem o fenômeno. Sempre que vestimos uma camiseta de um “time”, seja ele qual for, assumiríamos automaticamente uma postura de intolerância, ao encarnar a lógica do “meu” versus o “outro”.

“Em todos os lugares sociais onde a homogeneidade do grupo é muito forte, a intolerância está presente”, alerta. Zilda diz que está em curso um “enorme fenômeno de intolerância contínuo”, historicamente disfarçado no Brasil por um discurso de que somos um povo cordial, “boa gente” e tolerante. “Essa intolerância está aumentando, mas é dirigida para grupos específicos como pobres, negros, índios, não se expande para todos. Jovens negros são assassinados toda semana sem grande alarme.”

Uma das causas seria o reforço à cultura do medo, acentuada pela segregação de classes, com a formação de bolhas sociais que confinaram a classe média na escola privada, nos shoppings centers e em redes sociais de iguais. “Quando todo mundo ia para a escola pública, o filho do operário convivia com o filho do patrão. Hoje não conhecemos o outro, e se teme o desconhecido. Criamos formas de vida que usam a violência para tentar nos proteger e falta consciência da responsabilidade social. Se uma criança é chamada de macaco numa escola, por exemplo, não acontece nada.”

Acesse no site de origem: Racismo e homofobia, o curto-circuito da globalização (Gazeta do Povo, 23/10/2014)

Compartilhar: