Organizações de direitos das mulheres e defesa da liberdade de expressão manifestam apoio a jornalista vítima de ataques

Compartilhar:
image_pdfPDF

Cerca de 50 organizações da sociedade civil uniram-se para reconhecer publicamente, em nota conjunta, a importância da atuação jornalística da repórter Schirlei Alves, que vem sofrendo intensos ataques digitais depois de publicar matéria no site The Intercept Brasil sobre violência institucional e revitimização a que foi exposta a influenciadora Mariana Ferrer em julgamento sobre um caso de estupro contra a influenciadora.

As organizações, reconhecidas nacional e internacionalmente pela defesa da liberdade de expressão e de imprensa, como ARTIGO 19, Repórteres sem Fronteiras e ABRAJI, e pela defesa dos direitos das mulheres, como Instituto Patrícia Galvão e Articulação das Mulheres Brasileiras, ressaltam o crescente movimento de “ataques online sistemáticos de grupos e influenciadores que atuam em redes sociais para tentar silenciar a imprensa e a pluralidade de vozes.” especialmente elegendo mulheres como alvo.

O comunicado também ressalta a responsabilidade do Estado e sua “obrigação de prevenir, proteger e processar ataques contra jornalistas e defensores dos direitos humanos”, além reforçar o compromisso das assinantes em “atuar para que mulheres comunicadoras possam desempenhar sua profissão em segurança, contribuindo com o direito da população à informação e com debates urgentes a toda sociedade.”

Nota na íntegra:

Organizações ressaltam importância do trabalho jornalístico de repórter atacada em rede de ódio

Organizações de defesa da liberdade de expressão e imprensa e de direitos das mulheres reforçam apoio à jornalista Schirlei Alves

As organizações abaixo assinadas se somam aos diversos setores da sociedade que reconhecem publicamente a importância da atuação jornalística da repórter Schirlei Alves.

Entre diversas reportagens sobre temas fundamentais, como o enfrentamento à violência contra as mulheres, a jornalista é autora da reportagem no The Intercept Brasil que expôs a violência institucional e grave violação cometida contra Mariana Ferrer. A apuração jornalística ajudou a pautar um debate público fundamental, que mobilizou diversas entidades, profissionais e ativistas que apontaram a gravidade do episódio e de teses jurídicas que culpabilizam a vítima pela violência sofrida, mesmo no caso de um crime hediondo e grave como o estupro. 

Desde então, a repórter se soma às comunicadoras que por exercer sua profissão se tornam alvo de ataques online sistemáticos de grupos e influenciadores que atuam em redes sociais para tentar silenciar a imprensa e a pluralidade de vozes. Os ataques costumam mobilizar agressões discriminatórias ou a tentativa de desqualificar o profissional ou veículo sempre que a cobertura jornalística incomoda um grupo que ocupa posição de poder. 

Com mais de 10 anos de carreira, Schirlei trabalhou nos principais veículos de imprensa de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul: A Notícia, Diário Catarinense, Notícias do Dia, Zero Hora e Diário Gaúcho, com participações na CBN Diário e na Rádio Gaúcha. Mais recentemente tem colaborado como repórter para mídias independentes e tradicionais como o Intercept, CNN e BBC. Embora tenha atuado em diferentes editorias pelos jornais que passou, o foco de seu trabalho esteve voltado para coberturas de segurança pública, direitos humanos e direitos das mulheres.

Além de chamar atenção para a gravidade do episódio, manifestamos todo nosso apoio à jornalista e agradecemos publicamente sua contribuição, reforçando que a sequência de ataques destinados a ela só reforça a importância do seu trabalho e o evidente interesse público dos temas que cobriu. 

Lembramos que os Estados têm a obrigação de prevenir, proteger e processar ataques contra jornalistas e defensores dos direitos humanos e também que essa obrigação inclui a garantia de um ambiente seguro, em todos os espaços, para mulheres comunicadoras e a desconstrução de estereótipos discriminatórios que perpetuam a violência contra as mulheres nos mais diversos ambientes, incluindo o profissional e o institucional. 

Seja por ação direta ou omissão, a naturalização desses ataques coloca comunicadores em risco, deteriora o ambiente para o exercício da profissão e prejudica a circulação de diferentes informações e opiniões e a capacidade da mídia de exercer seu papel fiscalizador do poder público, incluindo o sistema de justiça. Chamamos as empresas de mídias sociais a também agirem em casos de ameaças, discursos de ódio e ataques que violam direitos fundamentais. 

As organizações reforçam seu compromisso em atuar para que mulheres comunicadoras possam desempenhar sua profissão em segurança, contribuindo com o direito da população à informação e com debates urgentes a toda sociedade. 

Conheça melhor o trabalho de Schirlei Alves por meio de algumas de suas matérias:

https://theintercept.com/2020/08/28/curador-brasileiro-acusado-abuso-sexual/

https://ndmais.com.br/noticias/feminicidio-nao-e-crime-passional/

https://gauchazh.clicrbs.com.br/seguranca/noticia/2016/09/por-que-mulheres-agredidas-pelo-companheiro-tem-tanta-dificuldade-de-se-reconhecerem-vitimas-7600220.html

https://gauchazh.clicrbs.com.br/seguranca/noticia/2016/11/retrato-da-impunidade-rs-arquiva-metade-dos-processos-de-homicidios-8489962.html

https://ndmais.com.br/seguranca/policia/depoimento-de-uma-sobrevivente-entenda-o-ciclo-da-violencia-domestica/

http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/noticia/2012/12/maes-que-denunciaram-professor-por-abuso-sexual-sofrem-hostilidade-em-monte-castelo-3976677.html

http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/an_crime-silencioso/index.html

http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/an_segunda-chance/index.html

https://www.nsctotal.com.br/noticias/com-956-detentas-santa-catarina-tem-apenas-unidades-prisionais-criadas-para-abrigar-homens

http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2016/04/perdi-meu-filho-para-o-trafico-desabafa-mae-de-adolescente-assassinado-na-capital-5788784.html

https://gauchazh.clicrbs.com.br/comportamento/noticia/2017/05/cobertura-da-violencia-contra-a-mulher-ainda-e-superficial-no-brasil-aponta-estudo-9802669.html

https://www.tjsc.jus.br/web/imprensa/-/justica-registra-75-novos-processos-por-dia-em-sc-de-violencia-contra-a-mulher-em-2019?inheritRedirect=true

https://ndmais.com.br/noticias/jornalista-do-nd-participa-de-evento-do-tjsc-que-debate-violencia-contra-mulher/

http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/an_ocupacoesirregulares/index.html 

https://gauchazh.clicrbs.com.br/comportamento/noticia/2017/07/o-que-uma-tragedia-em-sala-de-aula-pode-ensinar-9855234.html

#ApoieUmaJornalista

ASSINAM

Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero

Articulação de Mulheres Brasileiras

ARTIGO 19

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji)

Associação Mulheres pela Paz

Católicas pelo Direito de Decidir

Cepia – Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação

Cfemea – Centro Feminista de Estudos e Assessoria

Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada

Coletivo Feminino Plural

Coletivo Feminista Helen Keller de Mulheres com Deficiência

Coletivo Jornalistas Contra o Assédio

Coletivo Leila Diniz

Comissão da Mulher Advogada OAB-SP

Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher – CLADEM/Brasil

Conen – Coordenação Nacional de Entidades Negras

Criar Brasil – Centro de Imprensa, Assessoria e Rádio

Escreva Lola Escreva

Evangélicas pela Igualdade de Gênero

Fórum de Mulheres da Zona Oeste SP

Geledés – Instituto da Mulher Negra

Gênero e Número

Grupo Curumim – Gestação e Parto

Instituto AzMina

Instituto Patrícia Galvão

Instituto Vladimir Herzog

Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social

Levante das Mulheres Brasileiras

Marcha de Mulheres Negras de São Paulo

Marcha Mundial das Mulheres – MMM SP

MariaLab

Milhas pela Vida das Mulheres

Não Me Kahlo

Nosso Instituto – Acesso, Respeito e Acolhimento

Observatório da Mulher

Portal Catarinas

Promotoras Legais Populares de São Paulo 

Rede de Jornalistas e Comunicadoras com Visão de Gênero e Raça – Brasil

Rede Feminista de Ginecologistas e Obstetras

Rede Médica pelo Direito de Decidir – Global Doctors for Choice/Brasil

Rede Mulher e Mídia

Rede Nacional de Proteção a Comunicadores

Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos

Redeh – Rede de Desenvolvimento Humano

Repórteres Sem Fronteiras

SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia

TamoJuntas

The Intercept Brasil

Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos

Think Olga

União de Mulheres do Município de São Paulo

Compartilhar: