Quatro meninas brasileiras estupradas por hora. Um crime generalizado e silenciado

Compartilhar:
image_pdfPDF

(El País | 18/05/2021 | Por Naiara Galarraga Gortázar)

Geralmente são notícias curtas na imprensa local. “Um homem e uma mulher foram presos pelo estupro de uma menina de 13 anos. O delegado explica que o homem, casado com uma tia da vítima, a estuprou durante seis anos. Os fatos eram do conhecimento da mãe e da avó”. As prisões aconteceram na quarta-feira, 5 de maio, em Pinheiros, cidade de 77.000 habitantes no Norte do Brasil. Nem a idade da vítima nem as circunstâncias são algo excepcional. Informação anódina que narra crimes cotidianos. As estatísticas do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) são chocantes. A cada hora, quatro meninas menores de 13 anos são estupradas no Brasil, de acordo com os números mais recentes. Mais da metade das 5.636 vítimas em 2019 tinha menos de 13 anos.

E isto é apenas a ponta do iceberg, pois considera apenas o que chega aos ouvidos da polícia ou dos serviços de saúde. “A violência sexual contra crianças está envolvida por um pacto de silêncio”, enfatiza Márcia Bonifácio, chefe de uma equipe de psicólogos e psicopedagogos da Prefeitura Municipal de São Paulo que apoia as escolas quando surge um aluno problemático. Seu comportamento muitas vezes esconde que é vítima de violência sexual ou de algum outro tipo.

Três brasileiras, a educadora Bonifácio, a promotora Renata Rivitti e a diretora do Instituto Liberta, Luciana Temer, usam sua vasta experiência para ajudar a entender os contornos desse crime tão arraigado nesta cultura patriarcal e machista repleta de tabus que, ao mesmo tempo, promove a sexualização precoce. “É um círculo muito perverso com poucos finais felizes”, diz Bonifácio.

A vítima pode ser uma menina de quatro anos que se masturba quatro vezes ao dia na aula, uma garota de 10 anos que começa a mostrar a figura de uma mulher grávida, um menino de sete anos que obriga seus colegas a fazer sexo oral, uma adolescente aplicada e retraída que aparece com um olho roxo e oferece explicações pouco credíveis… As vítimas não seguem um padrão. Os agressores sim: “Não tenho notícias de nenhum caso em que a agressão tenha sido perpetrada por um estranho”, diz Bonifácio. Geralmente pertence ao entorno familiar. O pai, o padrasto, irmãos mais velhos, tios, avós, amigos da família…

Acesse a matéria completa no site de origem.

 

Compartilhar: