Escola do Parlamento oferece curso sobre Igualdade de Gênero em São Paulo/SP – Inscrições abertas

1473
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Objetivos: Discutir os conceitos centrais de diferentes vertentes da teoria política feminista subjacentes ao debate público sobre questões de gênero.

Diretor Responsável: Lara Mesquita

Coordenação: Ingrid Cyfer

Público Alvo: Acadêmicos, militantes e todas as pessoas interessadas em atualizar e aprofundar sua reflexão sobre gênero e política.

Carga Horária: 21h

Inscreva-se aqui!

Programação:

Data Hora Local Palestrante Tema
24/out 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello – (“Sala A”) Ingrid Cyfer (UNIFESP) As Ondas do Feminismo e seus Temas
25/out 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello Marcia Leite (Unicamp) Redistribuição e Gênero: renda, trabalho e família
31/out 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello Ingrid Cyfer (UNIFESP) Gênero, Justiça e Democracia
01/nov 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello Richard Miskolci (UFSCar) Teoria Queer
07/nov 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello Flávia Biroli (UNB) Representação e Participação Política
08/nov 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello Laura Moutinho (USP) Identidade de Gênero e Interseccionalidade
16/nov 19h-22h  Sala Sérgio Vieira de Mello Marta Machado (FGV) Violência de Gênero

Ingrid Cyfer: Fez pesquisa de pós-doutorado em Dartmouth College (2014-15) e Doutorado em Ciência Política na Universidade de São Paulo-USP (2009), com estágio doutoral na New School for Social Research (2008). Professora de Teoria Política do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP (Lattes).

Márcia Leite: Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1990). Fez pós-doc no Institute of Development Studies (IDS/ University of Sussex) em 1995 e no Institute of Latin American and Iberian Institute (ILAIS/Columbia University) em 1998. Atualmente é professora plena dos Programas de pós Graduação em Educação e em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas. Faz parte do conselho editorial das seguintes publicações: Revista latinoamericana de estudios del trabajo, Enterprise and Work Innovation Studies, Sociología del Trabajo, Revista Trabajo e Organizações e Trabalho (Lattes).

Richard Miskolci: Doutor em Sociologia pela USP (2001) e Professor Associado 3 do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar. É coordenador adjunto da área de Sociologia na CAPES, coordena o Quereres – Núcleo de Pesquisas em Diferenças, Gênero e Sexualidade (www.ufscar.br/quereres) (Lattes).

Flavia Biroli: Professora Associada do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê). Pesquisadora do CNPq (Lattes).

Laura Moutinho: Possui doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001) e pós-doutorado pela Princeton University (2014). Atualmente é Professor Doutor da USP (Lattes).

Marta R. de Assis Machado: Possui doutorado (2007) em Direito pela USP. É professora em regime de período integral da Escola de Direito de São Paulo da FGV, pesquisadora permanente do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e coordenadora do Núcleo de Estudos sobre o Crime e a Pena da Direito GV (Lattes).

Bibliografia:

Alcoff, L. Visible Identities: race, gender and the self. New York: Oxford University Press, 2006

Allen, A. The Politics of Ourselves: Power, autonomy and gender in comtemporary critical theory. New York: Columbia University, 2007.

Beauvoir, Simone de. 1944. Pyrrhus et Cinéas. Paris: Gallimard.

——— 2004. Simons (ed) Philosophical Writings.University of Illinois Press.

———. 1980 [1949]. O Segundo Sexo, V1 e V2.  Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

———. 2009 [1963]. A Força das Coisas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Benhabib, Seyla. Situating the self: gender, community and postmodernism in contemporary ethics. New York: Routledge, 1992.

_______ “Sexual Difference and Collective Identities: the new global constellations” in Signs 24 (2): 335-61

_______  and Cornell, D (eds) Feminism as Critique: on the Politics of Gender. Minneapolis University of Minnesota Press, 198

Biroli, F.; Mota, Fernanda Ferreira ; O gênero na política: a construção do ‘feminino’ nas eleições presidenciais de 2010. Cadernos Pagu (UNICAMP. Impresso), p. 197-231, 2014.

_______. “Autonomia, opressão e identidades: a ressignificação da experiência na teoria políticafeminista.” in Revista de Estudos Feministas, 21 (1), 2013.

28.

_______. Mulheres e política na mídia brasileira: estereótipos de gênero e marginalidade do “feminino” na política. In: Denise Paiva. (Org.). Mulheres, poder e política. 1ed.Goiânia: Cânone Editorial, 2011, v. 1, p. 124-154.

Biroli, F. , Miguel, L. F. ;. Mídia e representação política feminina. Opinião Pública (UNICAMP), v. 15, p. 55-81, 2009

Blay, E. A.. Democracia, direitos das mulheres e feminismos. In: Tania Suely Antonelli Marcelino Brabo. (Org.). Gênero, Educação e Mídia. São Paulo: ìcone editora, 2010, v. , p. 11-17.

______ A.. Igualdade de Oportunidades para as Mulheres. Construindo o caminho. In: Eva Alterman Blay. (Org.). Igualdade de oportunidades para as mulheres. São Paulo: Humanitas, 2002, v. , p. 9-20.

Brysson, V. Feminist Political Theory: an introduction. New York: Palgrave Macmillan, 2003.

Butler, Judith. 1993. Bodies that Matter: on the Discursive Limits of “Sex.” New York: Routledge.

———. 1997b. The Psychic Life of Power: Theories in Subjection. Stanford: Stanford University Press.

———. 2002. “What is Critique? An Essay on Foucault’s Virtue.” In The Political, ed. David Ingram. London: Blackwell, 212–26.

———. 2003 [1990]. Problema de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

———. 2004. Undoing Gender. New York; London: Routledge.

———. 2006. Precarious Life: The Powers of Mourning and Violence. London; New York: Verso.

———. 2007 [1990]. Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York: Routledge

Cyfer, I. Liberalismo e Feminismo: igualdade de gênero em Carole Pateman e Martha Nussbaum. Revista de Sociologia Política, 2010, V. 18, n. 36.

____ e Neves, R. “Entrevista com Nancy Fraser” in Abreu (org) Redistribuição, Reconhecimento, Representação: diálogos sobre igualdade de Gênero. Brasília: IPEA, 2011.

_____. “Problema de Reconhecimento: poder, vulnerabilidade e violência” in Melo, Rurion (Ed)A teoria crítica de Axel Honneth: reconhecimento, liberdade e justiça. São Paulo: Saraiva, 2013.

____ Afinal, o que é uma mulher? Simone de Beauvoir e a ‘questão do sujeito’ na teoria crítica feminista. Lua Nova (Impresso), v. 02, p. 41-77, 2015.

Cypriano, B. “Construções do pensamento feminista latino-americano” in Revista de Estudos Feministas, v. 21, n. 31(2), 2009.

______ e Matos. “Críticas feministas, epistemologia e as teorias da justiça social: em busca de uma teoria crítico-emancipatória do gênero”. Texto apresentado no 32o Encontro Anual da Anpocs, GT 27: para onde vai a teoria social contemporânea?

Gonçalves, F. “A solidariedade entre o público e privado”in Terra, R e Nobre, M. (orgs) Direito e Democracia: um guia de leitura de Habermas. São Paulo: Malheiros, 2008.

Fraser, N. “Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição e reconhecimento à representação” in Revista de Estudos Feministas, v. 15, n. 2, 2007.

Fraser, N. “O feminismo, o capitalismo e as astúcias da história” in Mediações, Londrina, V. 14, n. 2, 2009.

Engels. A origem da família, da propriedade privada e do Estado.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984

Haraway.  “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavr”. Cadernos Pagu (22), 2004.

Harding,S.  “A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista” in Revista de Estudos Feministas, 7, n. 1/93.

Kymlicka, W. Filosofia Política Contemporânea. São Paulo: Martins Fontes, 2006. (capítulo 7)

Lima, MÁRCIA. Açoes Afirmativas e Juventude Negra no Brasil. Cadernos ADENAUER (São Paulo), v. XVi, p. 27-43, 2015.

Lima, Márcia; REZENDE, C. B. . Linking gender, class and race in Brazil. Social Identities (Abingdon), New York, v. 10, n.6, p. 757-775, 2004.

Mackinnon. “Feminism, method and the state: an agenda for theory”. Signs, v. 7, n. 3, 199.

Machado MARTA R. DE A.; Rodriguez, J. R. ; Prol, F. M. ; Justino, G. ; Ganzarolli, M. Z. ; Elias, R. . Disputando a Aplicação das Leis: A Constitucionalidade da Lei Maria da Penha nos Tribunais Brasileiros.. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos (Impresso), v. 9, p. 65-88, 2013.

Machado, Marta Rodriguez de Assis, Nobre, M. S. ; Rodriguez, J. R. ; Gregori, M. F. ;; Miniuci, G. M. F. ; Silva, F. ; Bressiani, N. A. ; Cardoso, E. L. C. ; Fatni, F. ; Vieira, A. C. A. ; Ferreira, C.C. ; Reis, L. S. ; Ganzarolli, M. Z. ; Valente, M. G. . Igualdade de Direitos entre Mulheres e Homens. Série Pensando o Direito, v. 11, p. 9-64, 2009.

Miskolci, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. v. 1. 80p .

_______________A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias (UFRGS), v. 21, p. 150-182, 2009.

Okin, “Por que el Multicultalismo es malo para las mujeres?” in International Herald Tribune, 2 feb, 1996

Pateman. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

Perrot, M. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Paz e Terra, 1988.

Rago, M. Os feminismos no Brasil: dos anos de chumbo à era global in Labrys: estudos feministas, n. 3/ jan-jun, 2003.

Rawls. Uma teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Rawls. Liberalismo Político. São Paulo: Martins Fontes, 2000

Scott, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica in Educação e Realidade, V. 15, n. 2, jul-dez, 1990

____   “La querelle des femmes” no final do século XX. Revista Est. Fem, v. 9, n. 2, 2001

Compartilhar: