22/06/2012 – Hillary Clinton defende ‘direito reprodutivo’ das mulheres em discurso na Rio+20

601
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(G1) A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, foi aplaudida ao defender os direitos reprodutivos das mulheres em seu discurso na plenária da Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, nesta sexta-feira (22).

“Temos que assegurar os direitos reprodutivos das mulheres, as mulheres têm de ter o direito de decidir se querem e quando querem ter filhos. Os Estados Unidos irão trabalhar para assegurar que esses direitos sejam respeitados em acordos internacionais”, afirmou.

O trecho que falava sobre a proteção desses direitos foi retirado do acordo da Rio+20, após oposição de alguns países e do Vaticano. Na quinta-feira, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, foi criticada pela retirada. Ela disse que “é preciso recuar de argumentos para permitir outros“.

Leia na íntegra: Hillary defende direitos reprodutivos das mulheres na Rio+20 (G1 – 22/06/2012)


Veja também:


22/06/2012 – Izabella Teixeira lamenta superficialidade na inclusão de temas como direitos reprodutivos da mulher na Rio+20

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, lamentou que questões como a dos direitos reprodutivos das mulheres, “em que o Brasil já avançou tremendamente”, não tenham avançado na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20
dilmarousseff130nacupulamulheres
22/06/2012 – Documento da Rio+20: Dilma mostra irritação ao ser criticada por ausência de ‘direitos reprodutivos’
“Não entendo como a presidente Dilma Rousseff [em sua fala inicial na Cúpula de Mulheres Líderes] menciona os direitos reprodutivos e esse tema não aparece no documento”, disse a ex-premiê da Noruega Gro Harlem Brundtland. Dilma pediu a palavra uma segunda vez (não estava previsto) para dizer – em tom seco, transparecendo irritação – que o documento não foi feito para agradar a um setor específico
michellebachelet130_jorgearaujo_folhapress
21/06/2012 – Documento da Rio+20: Ataques aos direitos femininos são inaceitáveis, diz Bachelet
À frente da ONU Mulheres, a entidade das Nações Unidas para a igualdade de gênero, a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet considera inaceitável o ataque a direitos femininos já ratificados em acordos internacionais. O documento final da Rio+20 excluiu a expressão ‘direitos reprodutivos’, que designa a autonomia da mulher para decidir quando ter filhos -o texto fala apenas em ‘saúde reprodutiva’
rio20_direitos_reprodutivos
20/06/2012 – Documento Rio+20: Mulheres protestam por retirada da expressão ‘direitos reprodutivos’
Com cartazes e lenços, dezenas de mulheres protestaram ontem no Riocentro contra o texto final da Rio+20. A principal crítica é a retirada do documento da expressão “direitos reprodutivos”, que designa a autonomia da mulher para decidir quando ter filhos
mary_robinson
20/06/2012 – ‘Que sabem celibatários sobre as mulheres?’, diz Mary Robinson
Em entrevista ao impresso O Globo, Mary Robinson, ex-comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, se diz preocupada com a pressão do Vaticano para a retirada do documento final da conferência de toda e qualquer referência a sexo, sexualidade e planejamento familiar em gera

(Globo.com) A secretária de Estado americana Hillary Clinton fechou a discreta participação dos EUA na Rio+20 com um discurso no qual o que mais chamou atenção foi a defesa dos direitos reprodutivos da mulher, reabrindo uma polêmica surgida com a substituição dessa expressão por “saúde reprodutiva” da mulher, por pressão do Vaticano. A polêmica havia irritado a presidente Dilma Rousseff, que na quinta-feira recusou pedido de encontro bilateral com Hillary. Na área ambiental, a secretária anunciou uma inexpressiva ajuda de US$ 20 milhões para projetos de energia limpa na África.A secretária elogiou a atuação da ONU Mulher, entidade dirigida pela ex-presidente do Chile Michelle Bachelet, e disse que o documento da Rio+20 tem trechos importantes sobre as oportunidades para as mulheres. Mas não evitou a referência ao ponto que foi considerado um retrocesso pela própria Bachelet e pela ex-primeira-ministra irlandesa Mary Robinson, uma das integrantes do The Elders, grupo que reúne ex-líderes mundiais, fundado pelo sul-africano Nelson Mandela.

— Para atingir nossas metas em desenvolvimento sustentável também temos que garantir os direitos reprodutivos da mulher. As mulheres devem poder tomar decisões sobre se e quando querem ter filhos— disse Hillary, no único trecho de seu discurso na plenária da Rio+20 interrompido por aplausos.

A secretária de Estado afirmou que o governo dos EUA “continuará a trabalhar para assegurar que esses direitos sejam respeitados em todos os tratados internacionais”. Hillary chegou ao Rio na madrugada do último dia da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento sustentável, marcada pelo desapontamento com a ausência do presidente Barack Obama. Nas últimas horas da conferência, ela comandou a delegação americana de 69 pessoas, incluindo a diretora da EPA (a agência ambiental americana), Lisa Jackson, e Tood Stern.

Hillary, que está acostumada a ser recebida pelos chefes de Estado ou de governo em muitos países, pediu um encontro à presidente Dilma, mas não foi atendida. Ela teve reuniões bilaterais no Rio com o primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, com a primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, e com o presidente da Sérvia, Tomislav Nikolic.

Ao anunciar a iniciativa para financiar projetos de energia limpa na África, ela recebeu agradecimentos das delegações da África do Sul, do Quênia, de Gana e de Ruanda. A secretária afirmou que os US$ 20 milhões doados pelo governo americano abrirão o caminho para “várias centenas de milhões de dólares” em contribuições de empresas.

Hillary elogiou a liderança do Brasil na produção de um documento que traz “um avanço real para o desenvolvimento sustentável”. Ela afirmou que o documento contém muitos princípios e propostas importantes, mas destacou os exemplos de novas formas de pensar que surgiram ao longo da conferência.

— Deve-se dizer do Rio, como dizia Steve Jobs, que as pessoas não apenas saíram pensando grande, mas pensando diferente — afirmou.

Hillary fez menção às “vozes que têm se levantado exigindo uma expansão das oportunidades e maior participação nas decisões”:

— Temos o potencial de responder a essa demanda. Centenas de milhões de pessoas foram retiradas da pobreza extrema na década passada. Estamos trabalhando para acabar com a fome, uma área em que o Brasil tem mostrado uma liderança particularmente forte — disse Hillary.

Acesse em pdf: Hillary Clinton defende ‘direito reprodutivo’ das mulheres em discurso na Rio+20 (Globo.com – 22/06/2012)

Compartilhar: