12 mitos sobre aborto que matam mulheres diariamente no mundo

750
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(HuffPost Brasil, 08/03/2016) A legalização do aborto luta contra religiões, dogmas sociais, e claro, com as frases feitas “travestidas” de lições de moral.

Essas frases são, na realidade, o reflexo de julgamentos de uma sociedade machista que finge que o aborto não acontece e que, quando ele é feito, condena a mulher que o fez e seu direito de escolha.

Por isso, muitas vezes, quando o assunto é aborto, o senso comum destila mitos — que reforçam ideias erradas sobre o tema e interfere, diretamente, na luta para que mulheres parem de morrer em decorrência de abortos inseguros.

Os mitos abaixo foram compilados pela organização safe2choose que promove o aborto seguro em países que já avançaram em relação ao tema.

A desconstrução deles podem ajudar a salvar vidas e você pode fazer parte disso.

1. “As mulheres que fazem abortos são descuidadas e irresponsáveis.”

Estudos descobriram que 40% das gestações em todo o mundo não são planejadas.

Decidir que você não está pronta para criar uma criança é uma das decisões mais difíceis, responsáveis e altruístas que se pode fazer, segundo a ONG.

Chamar mulheres de “descuidadas e irresponsáveis” não é apenas machista, mas é uma simplificação de vários fatores, como a falta de recursos e acesso à educação sexual, saúde reprodutiva e controle de natalidade; estruturas opressivas, como machismo e o patriarcado que limitam e impedem as mulheres de fazer escolhas sobre os seus próprios corpos.

2. “Você só deve ter relações sexuais se você está pronto para as consequências.”

A maternidade deve ser uma escolha, não uma punição paternalista para ter relações sexuais.

As crianças não são “consequências”.

Sexo não é apenas para a reprodução e ter relações sexuais não pode ser comparado com a gravidez, o parto e/ou criar um filho. São coisas diferentes.

Nós temos o direito de cumprir e expressar a nossa sexualidade e experiência de prazer, assim como temos o direito de decidir quando e se queremos ter filhos.

3. “Muitas mulheres querem ter filhos e não podem e, enquanto isso, outras estão abortando por aí”

É injusto exigir que as mulheres deixem de fazer uma escolha relacionada ao seu corpo só porque outras não podem ou não conseguem ter filhos. Essa afirmação não faz sentido. São coisas diferentes.

A gravidez é uma possibilidade biológica, e não uma obrigação social.

4. “Mesmo que ela foi estuprada, não é culpa do bebê.”

Envergonhar ou culpar sobreviventes de violência sexual por querer abortar é violentá-la duas vezes.

O Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos estabelece que ninguém deve ser submetido a tratamento cruel, desumano ou degradante, incluindo a realização de uma gravidez a termo, como resultado de estupro.

O estupro é o problema, não as mulheres.

5. “Devemos incentivar a promoção da educação sexual, ao invés de incentivar o aborto”

Segundo estudo de 2012 da Organização Mundial da Saúde (OMS), 12% das mulheres de idades 15-49 casadas ou em um relacionamento não tiveram acesso ou não estavam usando um método eficaz de controle de natalidade.

Apesar dos esforços globais e locais para promover o uso de contracepção, ainda há uma grande necessidade não atendida de planejamento familiar.

Informação e acesso ao aborto seguro não é um substituto para a educação sexual, é uma parte essencial dela.

Gravidezes não planeadas serão sempre uma realidade, e as mulheres precisam de opções seguras. Elas precisam ter o direito garantido para que possam fazer suas escolhas.

6. “O aborto só deve ser permitido em circunstâncias especiais.”

Nós não estamos interessados em investigar as razões por que as mulheres querem um aborto.

Todas as circunstâncias são válidas quando se trata de uma escolha pessoal sobre o seu corpo e seu futuro.

7. “Os seu direito acaba quando começa o do outro. O aborto tira os direitos do nascituro “.

Mulheres grávidas são seres humanos que têm acesso a direitos reprodutivos e sexuais fundamentais.

Toda a gravidez carrega riscos. É por isso que as mulheres, como seres autônomos, devem ter o direito de continuar com uma gravidez ou não.

O feto, por outro lado, é totalmente dependente do corpo da mulher e, portanto, quando uma mulher decide terminar sua gravidez, ela não está ferindo o direito da outra pessoa

8. “Ser mãe é uma coisa bonita, aqueles que ainda não tiverem uma criança não serão completas”

Cerca de 61% dos abortos são feitos por mulheres que têm um ou mais filhos, segundo a ONG.

No entanto, a palavra “mulher” não é sinónimo de “mãe”.

As mulheres não são obrigadas a ser mães.

É uma construção social a ideia de que todas as mulheres ficam ansiosas para a maternidade e possuem um instinto maternal inato.

Algumas mulheres ficam felizes de experimentar a maternidade, e outras não.

9. “Há outras opções, como a adoção.”

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), apenas 12 em cada 100.000 crianças são adotadas a cada ano e, portanto, pensar que a adoção é a resposta para crianças não desejadas é no mínimo inocente.

Além disso, adoção, aborto e maternidade continuam sendo escolhas.

Adoção pode ser uma boa opção para aqueles que não querem criar uma criança.

Para muitos, incluindo aqueles que simplesmente não querem engravidar ou não podem dar continuidade a alguma gravidez por razões médicas, sociais ou financeiras, a adoção pode não ser a melhor decisão para eles.

Ninguém pode decidir o que é a escolha certa para outra pessoa.

10. “Mulheres que abortam se arrependem pelo resto da vida”

95% das mulheres que tiveram abortos não sofrem com a decisão.

A maioria sente que o aborto era a decisão certa naquele momento.

Estudos têm mostrado que as mulheres são mais felizes e saudáveis quando eles estão no controle de sua saúde reprodutiva e pode decidir quando e se eles querem ser mães.

Muitas mulheres, por causa de seu aborto, são capazes de continuar com a escola, o trabalho, ou melhor assistência para as crianças que eles já têm.

O aborto é uma decisão muito positiva para muitas mulheres.

11. “É por isso que a pílula do dia seguinte existe!”

Segundo a OMS, a contracepção de emergência tem de 52 % a 94 % eficácia, por isso mesmo, com acesso suficiente, não é garantia.

A contracepção de emergência pode ser cara, difícil de obter, e em vários países você precisa de uma receita prescrita por um médico.

Isso pode atrasar o processo de tomar o medicamento que pode diminuir a sua eficácia.

12. “O aborto é um pecado.”

A Declaração Universal dos Direitos Humanos afirma que todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião.

Portanto, nenhuma pessoa ou grupo tem o direito de fazer leis com base na fé, nem impor nada aos outros.

Além disso, muitas religiões encaram o aborto como moral e normal, em vez de um pecado.

Muitos clérigos de diferentes religiões apoiam explicitamente o direito de escolha da mulher.

Gleyma Lima

Acesse no site de origem: 12 mitos sobre aborto que matam mulheres diariamente no mundo (HuffPost Brasil, 08/03/2016)

Compartilhar: