Ampliar acesso à vacina de HPV é chave para prevenir câncer cervical

Compartilhar:
image_pdfPDF

Por ano, 250 mil mulheres morrem deste tipo de câncer, sendo que 85% das fatalidades acontecem em países de rendas baixa e média; na América Latina, 80% das meninas recebem a vacina, mas índice precisa alcançar mais países.

(Rádio ONU, 02/02/2017 – acesse no site de origem)

A Organização Mundial da Saúde, OMS, revela que o câncer cervical mata mais de 250 mil mulheres por ano, sendo que 85% das mortes ocorrem em países de média e baixa rendas.

Este tipo de câncer é o quarto mais comum entre mulheres do mundo todo. A prevenção é possível com medidas adequadas, como vacinar as meninas contra o papilomavírus humano, HPV, além dos testes para detecar lesões pré-cancerosas em mulheres.

Diferenças

A Agência Internacional para a Pesquisa sobre Câncer, Iarc, que faz parte da OMS, destaca que nos países ricos, os testes de prevenção são comuns e com isso, os casos de câncer cervical e a taxa de mortalidade diminuíram bastante.

Mas em nações em desenvolvimento, onde acontece a maioria dos casos, o controle do câncer cervical muitas vezes não é visto como prioridade, lamenta a Iarc.

Na América Latina, 80% das garotas já têm acesso à vacina contra o HPV, graças ao compromisso dos governos federais. Em países pobres da Ásia e da África, a situação é bem diferente, porque as vacinas não estão disponíveis para todas.

Preço

A Iarc cita algumas barreiras para a popularização da vacina contra o HPV: falta de vontade política em tornar a medida prioridade, alto custo das vacinas e fraca infraestrutura dos sistemas de saúde.

O especialista em controle do câncer da Iarc, Rengaswamy Sankaranarayanan, declarou que “o câncer cervical é a doença das pobres” e lembrou que em muitos países, as mulheres são vistas como uma parte menos importante da população, por isso existem poucos investimentos para combater os casos.

A Iarc faz várias pesquisas sobre a eficácia de uma dose única de vacina e também investiga como aumentar o acesso e reduzir os custos. A vacina contra HPV é indicada para meninas entre 9 e 14 anos de idade e pelo menos duas doses são recomendadas.

O alerta sobre o câncer cervical é feito às vésperas do Dia Mundial de Combate ao Câncer, marcado todos os anos em 4 de fevereiro.

Leda Letra

Compartilhar: