Coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP reforça necessidade de mulheres soropositivas se vacinarem contra HPV

438
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Agência Aids, 04/08/2015) A Coordenação Estadual DST/Aids-SP reforça a importância da imunização contra o HPV de meninas e mulheres vivendo com HIV, tendo em vista a necessidade  de se alcançar uma maior cobertura vacinal desta população.

Desde março, a vacina contra o Papilomavírus Humano (HPV) foi incorporada no calendário vacinal de meninas e mulheres que vivem com o HIV, entre 9 e 26 anos, em todo país. Esta população foi definida como prioritária uma vez que a infecção por HPV em soropositivos é mais persistente, portanto é maior o risco de evolução para câncer, comparada à população geral. “Queremos ressaltar que a vacina encontra-se disponível para as usuárias nos ambulatórios que acompanham pessoas que vivem com HIV. Toda a equipe deve estar empenhada no oferecimento da mesma,  em especial  os pediatras, infectologistas, clínicos e ginecologistas”, diz  Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP.

Em todo estado de São Paulo, os ambulatórios que acompanham pessoas vivendo com HIV e contam com sala de vacina estão orientados para ofertar a  imunização às usuárias. Os que não dispõem de sala de vacina devem encaminhar as usuárias para os serviços de vacinação de referência. “Meninas e mulheres de 9 a 26 anos, vivendo com HIV, independentemente da faixa de CD4 e da carga viral, deverão receber vacina no esquema 0, 2 e 6 meses”, ressalta Maria Clara.

Acesse no site de origem: Coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP reforça necessidade de mulheres soropositivas se vacinarem contra HPV (Agência Aids, 04/08/2015)

Compartilhar: