Contar a própria história ajuda mulheres que convivem com a Aids

921
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Uol Notícias, 12/07/2014) Um pequeno estudo da Universidade da Califórnia, em São Francisco, mostra como contar a própria história para outras pessoas pode ajudar mulheres que convivem com o HIV.

O tabalho, publicado na revista da associação americana de enfermeiros especializados em Aids, avaliou os efeitos da chamada “terapia de expressão”, que consiste em uma série de workshops intensivos que culminam com uma performance teatral, em que as participantes contam sua história em público.

Segundo o principal autor do estudo, o médico Edward Machtinger, só a medicação não é suficiente para melhorar a qualidade de vida de quem sofre com o HIV. Segundo ele, muita gente segue a terapia antirretroviral corretamente, mas acaba morrendo por suicídio, abuso de substâncias ou mesmo por casos de violência.

A depressão, o trauma e o vício, segundo ele, são problemas comuns e muitas vezes devastadores para mulheres com Aids. E, frequentemente, não são tratados de forma eficaz. Para o autor do estudo, desenvolver a habilidade e a confiança para contar sua história em público diminui o isolamento e ajuda essas mulheres a terem uma vida mais saudável.

O programa de HIV em mulheres da Universidade de Califórnia fez uma parceria com o Projeto Medea, que foi fundado em 1989 para ajudar mulheres encarceradas e, recentemente, adaptado para auxiliar mulheres com HIV.

O método se concentra na arte da narrativa: as mulheres falam das experiências traumáticas vivenciadas e contam como descobriram o HIV. Na apresentação pública, elas sentem que suas histórias ajudam a influenciar outras pessoas, e, segundo os pesquisadores, isso traz um desejo de modificar as condições que facilitam o contágio pelo HIV e o estigma em relação à Aids.

O estudo contou com oito mulheres HIV-positivas e sete HIV-negativas, que, no final, fizeram oito shows vistos por mais de 1.000 pessoas. Nenhuma das participantes com o vírus havia divulgado publicamente sua condição antes da pesquisa.

Segundo a fundadora do projeto, Rhodessa Jones, a intervenção proporciona às mulheres uma sensação de irmandade e de ter uma voz, além de catarse, autoaceitação e relações mais saudáveis. Esse último aspecto foi o mais destacado no estudo. Segundo os pesquisadores, as pacientes passaram a evitar relacionamentos insalubres após a intervenção, o que é importante, considerando a grande quantidade de mulheres com HIV que são tratadas com violência pelos parceiros.

Acesse no site de origem: Contar a própria história ajuda mulheres que convivem com a Aids (Uol Notícias, 12/07/2014)

Compartilhar: