Especialista em zika alerta contra descuido do Brasil com a microcefalia

Compartilhar:
image_pdfPDF

Para médica que foi pioneira em detectar relação entre zika e microcefalia, Brasil terá nova geração de mães não imunes ao zika em uma década.

(Bem Estar, 10/02/2017 – acesse no site de origem)

Uma das primeiras médica a detectar a ligação entre o vírus da zika e fetos com má formação disse que o Brasil esqueceu rápido demais a tragédia dos 2 mil bebês nascidos com microcefalia e corre o risco de uma segunda onda de infecções, caso o vírus sofra mutação.

Um ano após a epidemia inicial, autoridades de saúde pública estão relatando poucos casos de microcefalia em recém-nascidos, um desdobramento que a doutora Adriana Melo e outros pesquisadores brasileiros atribuem à imunidade adquirida pela população do Nordeste, a região do país mais atingida pelo vírus da zika.

“O que vai acontecer é que o vírus não vai desaparecer, ele veio para ficar e vamos ter casos esporádicos, vai ficar como qualquer megalovírus”, disse Adriana à Reuters na terça-feira (7) em sua clínica de obstetrícia.

Em aproximadamente uma década, o Brasil terá uma nova geração de mães em potencial que não são imunes, e portanto estarão vulneráveis, se o vírus começar a circular novamente, estimou ela.

Os problemas ocorreram em bebês cujas mães foram infectadas na gravidez pelo vírus, que é transmitido pelo mesmo mosquito que dissemina a dengue.

Compartilhar: