Médica da Paraíba inaugura centro para tratamento de microcefalia

Compartilhar:
image_pdfPDF

A especialista em medicina fetal Adriana Melo foi a primeira a conseguir comprovar em laboratório a ligação entre a malformação e as infecções por zika

(Cláudia, 17/07/2017 – acesse no site de origem)

Vencedora do Prêmio CLAUDIA 2016 na categoria Ciências e pioneira na comprovação da relação do zika vírus com a microcefalia, a médica Adriana Melo conquistou mais um passo importante em seu trabalho.

Em 1º de julho deste ano, foi inaugurada a sede do Instituto de Pesquisa Joaquim Amorim Neto em Campina Grande (PB). A instituição tem como objetivo fornecer tratamento às vítimas de microcefalia e síndrome congênita do zika vírus, além de prevenção, assistência e pesquisa sobre a doença.

“Foi uma conquista muito grande, resultado de quase dois anos de luta e conscientização para conseguir apoio”, afirma Adriana, que é especialista em medicina fetal. “Acreditamos que a assistência deve ser realizada em conjunto com a pesquisa, daí o nosso desejo de oferecer as duas coisas em um mesmo lugar”.

Para a equipe, uma melhor compreensão da doença vem com o melhor atendimento às necessidades dos pacientes e seus familiares. “Enquanto muitos centros davam pouca importância às mães e seus bebês, preocupados apenas em promover os estudos, resolvemos agir de forma diferente”, diz a médica.

“Chamamos nossa iniciativa de pesquisa-ação. Ou seja, realizamos pesquisa ao mesmo tempo em que fazemos algo para ver os resultados. Não achamos correto, ao fazer ciência, apenas coletar os dados e ir embora, sem dar retorno ao paciente”.

O centro trabalha com uma equipe multidisciplinar, que faz o acompanhamento completo. O atendimento passa por fisioterapeuta, neuropediatra, pediatra, fonoaudiólogo e outros profissionais. Ao final, os especialistas se reúnem para discutir a melhor conduta a ser adotada em cada caso, permitindo uma visualização completa dos quadros.

O desafio agora é conseguir recursos para aumentar a capacidade de atendimento. Até a inauguração do centro, cerca de 125 crianças eram atendidas. Mas o número não para de crescer. “Estamos sendo procurados também por pacientes de outras cidades e não dá para dizer ‘não’ a uma mãe”, diz Adriana.

Grande parte do dinheiro arrecadado para a construção do instituto veio de pessoas comuns. “Podemos dizer que foi a população que se sensibilizou e ajudou na causa”, conta. O centro tem parceria com a ONG Fraternidade sem Fronteiras (FSF), que recebe doações e apoio na forma de apadrinhamento das crianças.

Além disso, moradores da região podem contribuir com doações através de sua conta de luz. Para mais informações sobre como doar, clique AQUI.

Compartilhar: