Médica que relacionou zika com microcefalia alerta sobre Olimpíadas

356
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(PB Agora, 30/05/2016) A médica paraibana Adriana Melo, conhecida por ter feito a ligação entre o vírus zika e a microcefalia fez um alerta que pode repensar a realização da Olímpiadas no Brasil, que acontece em agosto deste ano.

Segundo ela, o risco epidêmico para os estrangeiros, que participarão do evento, será maior do que para os que já residem no país. “O vírus pode ser mais perigoso para quem vem do que para quem fica. Nosso país é propício para proliferação de vírus. Eu acho perigoso para quem vem”, alertou.

Apesar de ter feito a descoberta, a médica reclama da falta de apoio financeiro por parte do poder público. Nesta segunda-feira (30) ela chegou a fazer um apelo em um rádio local para a comunidade ajudar em uma “vaquinha” a fim de custear a pesquisa. A médica disse ainda que nos próximos 30 dias fará uma revelação sobre a pesquisa, que poderá surpreender a todos.

Leia mais:  “É preciso adiar a Olimpíada: o zika vírus se espalhará por vias insuspeitas” (El País, 30/05/2016)

“Estamos disponibilizando um link nas redes sociais para receber doações, que podem ser feitas por cartão de crédito, por boleto e até parcelado, ou seja, quem quiser doar é só querer”, ressaltou.

No mês de setembro deste ano um novo boletim sobre os casos de microcefalia deve ser divulgado. A médica, no entanto, não soube precisar se o número diminuirá ou aumentará.

Essa semana, em carta aberta enviada à OMS (Organização Mundial da Saúde), um grupo formado por mais de 100 cientistas internacionais afirma que os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro deveriam ser transferidos ou adiados em decorrência do surto de vírus Zika.

Os especialistas dizem que descobertas recentes sobre o zika tornam “antiética” a manutenção dos Jogos no Rio. Na carta, os cientistas também pedem que a OMS reveja com urgência suas recomendações sobre o Zika, um vírus relacionado a uma série de problemas no nascimento, incluindo microcefalia.

A carta ainda diz que o adiamento ou a transferência dos Jogos também “diminui outros riscos trazidos por uma turbulência história na economia, governança e na sociedade do Brasil – que não são problemas isolados, mas que fazem parte de um contexto que tornam o problema do Zika impossível de resolver com a aproximação dos Jogos”.

Acesse o site de origem:  Médica que relacionou zika com microcefalia alerta sobre Olimpíadas (PB Agora, 30/05/2016)

Compartilhar: