Manobra de Kristeller: empurrar a barriga da mulher durante o parto é uma forma de violência obstétrica

Compartilhar:
image_pdfPDF

Para especialistas, acelerar o parto com procedimentos como a manobra de Kristeller, diz uito sobre violência obstétrica e aborda uma série de condutas que não devem ser realizadas

(Pais e Filhos | 18/01/2022 | Por Hanna Rahal)

A manobra de Kristeller consiste em uma manobra para empurrar a barriga da mãe no momento do parto para estimular o nascimento do bebê. Mesmo sendo contraindicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o procedimento ainda é realizado por obstetras durante o parto — o que significa um tipo de violência obstétrica.

Mas afinal, pode ou não empurrar a barriga no parto?

Durante o trabalho de parto, é fundamental respeitar o tempo do mãe e do bebê. Acelerar o parto com procedimentos como a manobra de Kristeller é uma forma de violência obstétrica e faz parte de uma série de condutas que não devem ser realizadas. “Realização de procedimentos médicos não autorizados pela paciente, violação de privacidade, recusa em administrar analgésicos, violência física, entre outras coisas são atitudes criminosas”, explica a ginecologista e obstetra especialista pela FEBRASGO, Karina Tafner, mãe de Marina.

Conversamos com especialistas para entender mais sobre a manobra de Kristeller e esclarecer as principais dúvidas:

O que é a manobra de Kristeller?

A manobra de Kristeller é uma técnica realizada com o objetivo de acelerar o trabalho de parto, em que é realizada pressão externa sobre o útero da mulher – ou seja, a barriga é empurrada pela equipe responsável no trabalho de parto. O procedimento já foi proibido em vários países do mundo e banido pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Acesse a matéria completa no site de origem

Compartilhar: