Pernambuco busca parcerias nos EUA para estudar microcefalia

789
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(G1, 17/03/2016) Secretário de Saúde, Iran Costa, participa de encontro com OMS e OPAS. Evento está marcado para a próxima segunda-feira (21), em Washington.

O secretário de Saúde de Pernambuco, Iran Costa, participa, na próxima segunda-feira (21), em Washington, Estados Unidos, de um encontro com representantes da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).  Os objetivos são fechar parcerias com instituições estrangeiras para ampliar as ações de combate ao Aedes aegypti e realizar pesquisas na área e o tratamento de crianças com microcefalia.

iran costa em visita da diretora geral da OMS Margareth Chan ao Recife (Foto: Aldo Carneiro/ Pernambuco Press)

Secrerário Estadual de Saúde, Iran Costa, participa de encontro com OMS e OPAS, nos EUA, segunda (21). (Foto: Aldo Carneiro/ PE Press)

Outra meta é  discutir a situação das arboviroses (dengue, chikungunya e zika) em Pernambuco.  O encontro foi marcado durante a visita da diretora-geral da OMS, Margaret Chan, ao Estado, no fim de fevereiro.

Costa  está nos EUA desde o dia 13. Participa de curso sobre saúde e educação na primeira infância na Universidade de Harvard. Em Boston, ele já apresentou a pesquisadores da instituição americana o panorama dos casos de microcefalia em Pernambuco.

O Estado foi o primeiro no Brasil a detectar a mudança no padrão da ocorrência dos casos, a iniciar a investigação, a notificar e organizar o atendimento das crianças nascidas com a malformação e a elaborar protocolos para orientação dos profissionais sobre a assistência desse público, material que foi utilizado como modelo para o protocolo nacional.

Último boletim

Pernambuco possui 1.779 casos notificados de bebês com microcefalia, dos quais 256 foram confirmados e 297 foram descartados depois da realização de exames de imagem. É o que revela o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do estado, divulgado terça-feira (15), referente ao período de 1º agosto de 2015 até 12 de março de 2016.

A relação do vírus da zika com os casos de microcefalia foi encontrada em 69 bebês pelo Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães, da Fiocruz, que detectou o anticorpo IgM no líquido cefalorraquidiano, mostrando que ocorreu exposição ao vírus. Após a realização de 88 testes, 17 casos apresentaram um resultado negativo, enquanto dois seguem inconclusivos.

Acesse no site de origem: Pernambuco busca parcerias nos EUA para estudar microcefalia (G1, 17/03/2016)

Compartilhar: