Taxa extra para partos cobrada pelos médicos surpreende as gestantes

807
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Folha de S. Paulo, 07/01/2015) Sofia nasceu em fevereiro de 2013, com apenas 30 semanas de gestação –dez a menos que o normal. Mas essa não foi a única surpresa que a jornalista Luciana Fuoco, 34, teve ao dar à luz.

“O médico só falou da taxa de disponibilidade no dia em que me deu alta. Cobrou R$ 2.300, pediu desculpas por não ter falado antes e me deixou pagar parcelado.”

Leia mais:
Incentivo ao parto normal deve vir com mais infraestrutura, diz médico (Folha de S. Paulo, 07/01/2015)

Médico terá que justificar cesárea para receber pagamento de plano de saúde (Folha de S. Paulo, 06/01/2015)
Ministério da Saúde e ANS publicam regras para estimular parto normal na saúde suplementar (Portal da Saúde, 06/01/2015)

Luciana diz que não ficou magoada com a cobrança e acha que os planos de saúde deveriam pagar mais aos médicos. Ela conta que no dia em que entrou em trabalho de parto o médico interrompeu um jantar de família num domingo para atendê-la.

A cobrança, que tem o aval do CFM (Conselho Federal de Medicina) –desde que o médico abra mão do que receberia pelo plano de saúde e informe a paciente sobre a taxa logo na primeira consulta–, foi criticada pelo ministro Arthur Chioro (Saúde).

Carolina Brazolotto, 25, que fez o parto com o plantonista

Carolina Brazolotto, 25, que fez o parto com o plantonista (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

“É inadmissível”, disse o ministro nesta terça (6), durante o anúncio de medidas para tentar reduzir o número de cesáreas no país.

“Não há na legislação nenhuma brecha para que se cobre por fora nenhum procedimento na saúde suplementar”, disse André Longo, diretor-presidente da ANS (agência de saúde suplementar).

Silvana Morandini, conselheira do Cremesp (conselho regional de medicina de SP) e da Sogesp (associação dos obstetras e ginecologistas), não vê problema na cobrança. Segundo a médica, a taxa remunera o médico que fica 24 horas disponível para atender a paciente.

A profissional de educação física Carolina Brazolotto, 25, estava com quase oito meses quando o obstetra disse que ela teria que pagar R$ 4.000 pelo parto. “Na hora achei ok ser atendida pelo plantonista, mas a médica que fez o parto nem veio falar comigo”, diz. Fernanda nasceu há dois meses, de cesariana.

A funcionária pública Igarana Moreira de Carvalho, 29, e a professora Tamara Martins, 29, só souberam da taxa com sete meses de gravidez. A primeira estuda usar o SUS, apesar de ter plano, por achar maior a chance de fazer ali o parto normal. A segunda já topou pagar os R$ 500 pedidos.

Giovanna Balogh

Acesse o PDF: Taxa extra para partos cobrada pelos médicos surpreende as gestantes (Folha de S. Paulo, 07/01/2015)

Compartilhar: