Exibição mostra papel das mulheres na ONU

Compartilhar:
image_pdfPDF

Embaixadora da Colômbia disse que evento revela história das mulheres em documentos e fotografias em 71 anos da organização; María Emma Mejía luta pela paridade de gênero em cargos de alto escalão da ONU.

(Rádio ONU, 14/12/2016 – acesse no site de origem)

Começou esta terça-feira na sede das Nações Unidas, uma exibição de fotos e documentos sobre o papel das mulheres na ONU, chamada HERstory, em inglês.

A embaixadora da Colômbia junto à organização, María Emma Mejía, disse que o evento mostra a história das mulheres dentro da organização em 71 anos, desde a sua fundação, em São Francisco, na Califórnia, em 1945.

Chefes

Na abertura da exposição, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, cita várias mulheres que foram indicadas por ele para cargos de chefia.

Entre elas, esta a general Kristin Lund, que foi a primeira comandante da força militar de uma missão da ONU, nesse caso, a Missão de Paz do Chipre.

Ban citou também Lucille Mair, a primeira mulher a assumir a posição de subsecretária-geral em 1982. Ela foi indicada para chefiar a Conferência da ONU sobre a Palestina.

Paridade

Em entrevista à Rádio ONU, Emma Mejía falou sobre a criação de um grupo de amigos que tinha como objetivo eleger uma mulher como secretária-geral das Nações Unidas.

Falando em espanhol, a embaixadora disse que o grupo tem 66 Estados-membros, a terça parte do total de países que fazem parte da ONU.

Ela explicou que da ideia inicial de eleger uma mulher para comandar a organização, agora o grupo busca alcançar a paridade de gênero em altos cargos.

Quanto ao processo para eleger uma mulher para a principal posição dentro das Nações Unidas, Emma Mejía declarou que dos 13 candidatos que entraram na disputa, sete eram mulheres.

Alto escalão

Em comparação, nos 70 anos da ONU, só três mulheres tinham se candidatado ao cargo anteriormente.

Mas agora a embaixadora disse que o grupo vai trabalhar com o próximo secretário-geral, António Guterres, para atingir a meta de ter o equilíbrio de 50/50, metade de homens e mulheres ocupando cargos do alto escalão nas Nações Unidas.

Compartilhar: