Sugestão de pauta: Repercussão da polêmica sobre a campanha “Hope ensina”

1360
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

pautabor_dir(Patrícia Negrão, da Agência Patrícia Galvão) A Agência Patrícia Galvão repercurte a polêmica sobre o pedido de suspensão da campanha “Hope ensina”, feito pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República e por mais de uma dezena de consumidores ao Conar (Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária). Na peça, a modelo Gisele Bündchen usa calcinha e sutiã para “ensinar” as mulheres a utilizar o corpo para amenizar as reações de seus companheiros diante de “más notícias”.

“Já existem mulheres que usam calcinha e sutiã quando querem, por amor, vontade e desejo. Fiquemos com essas!”

nadia_reboucasNádia Rebouças, publicitária e diretora da Rebouças e Associados
(11) 2524.3227 – [email protected]

“O maior espanto não é a publicidade de lingerie fazer um anúncio como esse. O maior espanto é ver Gisele Bündchen, uma mulher autônoma, independente, ser usada por uma propaganda de uma mulher tão dependente, que precisa de uma lingerie para dizer para o marido que bateu o carro. Já existem mulheres que usam calcinha e sutiã quando querem, por amor, vontade e desejo. Fiquemos com essas!”

“Errado! Sátira com lingerie em publicidade é blefe!”

jaciramelo5Jacira Vieira de Melo – diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão – Mídia e Direitos
(11) 3262.2452 / 7618.9731 – [email protected]

“A campanha da Hope, com Gisele Bündchen, se diz lúdica, mas é discriminatória e estereotipada. Mais uma vez um grande anunciante soma-se a uma modelo de destaque para lançar uma peça publicitária com o claro objetivo de suscitar polêmica. Foi assim com a campanha da cerveja Devassa, protagonizada pela socialite Paris Hilton. A polêmica em torno de uma campanha já é parte inerente da estratégia de mercado.

A ação da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal junto ao Conar está em total consonância com o que ocorre nas democracias mais consolidadas do planeta. Nas últimas décadas, organismos de defesa dos direitos das mulheres na Inglaterra, Alemanha, França e Itália têm interpelado anunciantes com campanhas publicitárias degradantes, humilhantes e discriminatórias às mulheres. E é importante notar que, na maioria dos casos, está em questão o uso da sexualidade feminina como chamariz.

Mais grave ainda é a repercussão que esse tipo de publicidade pode ter sobre os jovens, garotos e garotas. Este talvez seja o efeito mais nefasto de campanhas como essas. Com um grau de liberdade sem limite e sem metáforas, a Hope oferece “solução” para diversas situações de conflito: use calcinha, sutiã e voz sensual. Ofereça prazer e tudo estará resolvido, certo? Errado! As mulheres exigem respeito!”

“A propaganda agride a cidadania e o direito das mulheres brasileiras”

eleonora
Eleonora Menicucci,
socióloga e professora do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp
(11) 5572.0609, r. 261 / 9196.9413 – [email protected]

“Sou favorável à manifestação contra a propaganda da Hope porque ela agride a cidadania e o direito das mulheres brasileiras ao usar o corpo como instrumento de jogo de mercado. A Secretaria de Política das Mulheres, ao tomar a iniciativa de acionar o Conar, órgão de autorregulação da publicidade, está agindo de forma democrática, pois coloca em debate uma peça publicitária polêmica e discriminatória.”

 

Compartilhar: