Mulheres X feminismo, por Monique Oliveira

1724
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Folha de S. Paulo, 23/09/2014) Uma nova onda de críticas ao feminismo tem se espalhado na rede sob a ação “Women Against Feminism” (mulheres contra o feminismo).

A expressão virou página no Tumblr e no Facebook, hashtag no Twitter e motivação para selfies com frases como: “não sou feminista porque acredito em igualdade para homens também”, “eu não sou vítima” e “não preciso culpar o patriarcado por minhas inseguranças”.

Brasileiras que apoiam essas manifestações expressam frustração com o que consideram desrespeito das feministas pela religião e dizem que a mulher é vista como vítima no feminismo.

Respeitam, porém, o que consideram conquistas históricas, como a divisão de tarefas do lar. Muitas só se dizem contra o “feminismo moderno” das redes sociais e citam performances, virais e atitudes em marchas feministas como o ponto de virada para se tornarem “anti”.

A designer Cris Corrêa, 31, diz que uma performance de uma militante que se masturbou com um crucifixo foi um divisor de águas para a sua definição como antifeminista. “Achei um desrespeito total. Elas dizem respeitar todas a mulheres, e que o que importa é a autonomia, mas, nas redes, vejo uma postura de intolerância.”

“Elas tratam a mulher como coitada e impedem uma visão mais positiva”, diz a professora Priscilla Camargo, 35. “Não quero pensar que eu posso ser machista dependendo do que eu faço”, diz Michelle Gulfier, 22, cabeleireira, que divulga o antifeminismo na rede.

FORA DO PADRÃO

Nem todos os que fazem críticas ao feminismo são do contra. É o caso da escritora Roxane Gay, que acaba de lançar o livro “Bad Feminist” (algo como “A Feminista Má”; editora Harper Perennial, US$ 9,99).

Nele, ela diz fazer um convite para que o feminismo abrace as demandas de todas as mulheres –incluindo as que escolhem ficar em casa cuidando dos filhos, por exemplo. “Precisamos de novas maneiras de disseminar e enxergar o feminismo”, disse ela à Folha.

A filósofa Talyta de Carvalho, que sintetizou suas críticas ao feminismo em um artigo publicado na Folha em 2012 (“Não devemos nada ao feminismo”), diz que o movimento não aceita o debate. “É uma panelinha.”

Ela afirma ter recebido ameaças na época da publicação do texto. “Teve gente que me escreveu dizendo que eu merecia ser estuprada.”

Outro problema, diz Talyta, é que o movimento identifica o gênero como causa de problemas que são da natureza humana. “Há vários olhares possíveis para fenômenos que muitas creditam unicamente ao machismo, como a cantada ou a violência doméstica”.

Acadêmicos defendem, porém, que o feminismo contemporâneo não se limita a questões de gênero.

“O debate ampliou o olhar para temas sociais que têm na sua raiz a naturalização de desigualdades, e isso inclui questões de cor da pele, geração, classe social e outros”, afirma Carolina Branco de Castro Ferreira, pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero PAGU, da Unicamp.

AUTONOMIA

Para especialistas alinhados ao feminismo, a crítica se dirige a uma ideia estereotipada do que é o movimento.

“Não é um discurso contra o feminismo, que é uma palavra que pode dar medo, mas é o exercício da autonomia feminina”, disse à Folha Kamala Kempadoo, professora da Universidade de York (Canadá), que esteve no Brasil em um debate na Unicamp.

“O Women Against Feminism’ dialoga com os feminismos, ainda que seja pela negativa e com pouquíssima memória histórica”, diz Carolina, da Unicamp. “A questão da vitimização da mulher no feminismo já foi colocada por várias feministas.”

Outros acreditam que a reação contra o feminismo é um medo da diferença. “Há uma dificuldade de entender que a expressão da diferença não necessariamente ameaça a sua escolha”, diz Felipe Bruno Martins Fernandes, professor do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM) da Universidade Federal da Bahia.

Na militância feminista, a sensação é de que há “desinformação”. Tica Moreno, coordenadora nacional da Marcha Mundial das Mulheres, destaca o caráter heterogêneo do movimento. “Na nossa marcha há muçulmanas heterossexuais, lésbicas, de todos os tipos e escolhas.”

As mulheres do “anti”, contudo, afirmam que não se sentem representadas. “A gente vê a preferência por alguns temas e a omissão diante de manifestações radicais”, diz Cris Corrêa.

“O que há são vários feminismos, não há um só”, diz Felipe Bruno.

Acesse o PDF: Mulheres X feminismo, por Monique Oliveira (Folha de S. Paulo, 23/09/2014)

Compartilhar: