16/07/2010 – Número de deputadas deve crescer 30% (Folha)

680
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Folha de S.Paulo) Com base na relação entre candidatas e deputadas eleitas nas duas últimas eleições nacionais, o demógrafo José Eustáquio Diniz Alves, pesquisador da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, projeta que o número de deputadas estaduais e federais deve crescer entre 30% e 40% nas eleições deste ano.

O especialista calcula que o número de deputadas federais poderá passar das atuais 45 para pelo menos 63; já as estaduais, aumentarão de 124, em 2006, para 161. Se for confirmado, será um aumento histórico. O Brasil poderá ter pelo menos 12,3% de mulheres no Parlamento, taxa ainda abaixo da média mundial, de 19,1%, mas acima do estágio atual, de 8,8%.

Alves atribui esse possível crescimento à lei de cotas eleitorais, que estabelece um percentual mínimo de candidaturas de nas eleições.

O demógrafo baseou-se nos dados do TSE, que mostram que, em 2002, 11,4% das candidaturas a deputado federal eram de mulheres; em 2006, 12,7%; e em 2010, são 21%.

José Eustáquio esclarece que “o aumento de eleitas, porém, não deve ser proporcional ao crescimento de candidatas, já que, conforme noticiado, partidos recorrem a ‘laranjas’ para cumprir a lei de cotas“.

Acesse: Número de deputadas deve crescer 30% (Folha de S.Paulo – 16/07/2010)

Indicação de fontes:

Clara Araújo
– socióloga e pesquisadora
Departamento de Ciências Sociais da UERJ
Rio de Janeiro/RJ
(21) 2587-7678 [email protected]
Fala sobre: participação das mulheres na política

Fátima Pacheco Jordão – socióloga
TV Cultura e Instituto Patrícia Galvão
São Paulo/SP
(11) 3826-7651 / 9423-9402 – [email protected]
Fala sobre: pesquisas de opinião; participação das mulheres na política

José Eustáquio Diniz Alves
– demógrafo e pesquisador
Professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais
da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE
Rio de Janeiro/RJ
(21) 214246 89 / 2142-46 96 / 9966 6432 – [email protected]
Fala sobre: política, poder e a baixa representação das mulheres nos espaços de decisão; pesquisas e dados sobre essa realidade em outros países

Compartilhar: