A irreversível força das mulheres nas eleições dos Estados Unidos

1223
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Gazeta do Povo, 01/06/2014) Um nome feminino, Hillary Clinton, se destaca entre as apostas para as eleições presidenciais dos Estados Unidos de 2016, mas as americanas não precisarão esperar tanto para se verem representadas: nas legislativas de novembro as candidatas mulheres já serão protagonistas. O primeiro a se conscientizar do papel fundamental que as mulheres terão nas próximas eleições foi o próprio presidente Barack Obama, que nas últimas semanas deu um impulso a sua estratégia de voltar a atrair o voto feminino, sobretudo o da mulher trabalhadora e independente.

Incapaz de obter o apoio republicano para legislar sobre aumentos salariais de qualquer tipo, Obama assinou dois decretos para promover o salário equitativo entre homens e mulheres no país e advertiu várias vezes que o futuro dos Estados Unidos depende do futuro das mulheres americanas. Os democratas são conscientes de como é difícil mobilizar seus eleitores nas eleições legislativas da metade de mandato, e reconhecem que seu eleitorado, fundamentado em jovens, trabalhadores e mulheres solteiras, é mais reticente a comparecer às urnas nesse tipo de ocasião.

Hillary Clinton é a aposta dos Democratas para a eleição presidencial em 2016 nos EUA. Foto: Yuri Gripas/Reuters

“Para fazer ainda mais, devemos libertar o poder das mulheres em nossa economia já que, como o presidente Obama nos lembrou, quando as mulheres têm êxito, os Estados Unidos tem êxito”, repetiu neste fim de semana a líder da minoria democrata na Câmara dos Representantes e uma das legisladoras mais reconhecidas no país, Nancy Pelosi.

Os dados estão sobre a mesa: as mulheres solteiras, fiéis eleitoras democratas – dois terços delas votaram em Obama em 2012 – representam cerca de 25% do eleitorado nos Estados Unidos, e sua presença cresce, enquanto a taxa de casamentos diminui – 70% do eleitorado republicano está casado.

A candidata republicana Mia Love é uma das estrelas do partido para a eleição legislativa deste ano. Divulgação

No entanto, apesar de saber claramente em quem votar, custa muito mais para elas se aproximarem das urnas. Entre 2008 e 2010, a participação da mulher independente baixou cerca de 20 pontos, e entre 2012 e 2014 espera-se uma redução similar segundo dados do Escritório do Censo. Assim, de maneira inevitável, as mulheres se transformaram no alvo número um dos partidos.

Organização democrata dedica-se a apoiar candidaturas femininas

“EMILY’s List” é a maior organização do país, entre os democratas, dedicada a recrutar, treinar e apoiar mulheres na política americana em todos os níveis de representação. A entidade “apoia as candidaturas de mulheres e se compromete com as mulheres eleitoras, já que são estratégicas para os democratas vencerem em 2014”, explica a porta-voz nacional do projeto, Marcy Tech, que insiste que não há outro grupo demográfico que possa levar adiante alguns dos temas fundamentais para os EUA.

“As mulheres democratas são chave tanto para dar forma como para fazer avançar uma agenda que melhore a vida das mulheres e das famílias. As vozes das mulheres são absolutamente vitais para discutir assuntos críticos que nossa nação enfrenta, como conseguir a mesma remuneração pelo mesmo trabalho, o aumento do salário mínimo e a ampliação do acesso à saúde e à educação “, acrescentou Tech.

A organização cresceu especialmente no último ano, com 1 milhão a mais de integrantes, e está batendo recordes de arrecadação para as candidatas que apoiará até novembro, como as possíveis senadoras Alison Lundergan Grimes (Kentucky) e Michelle Nunn (Geórgia).

Estratégia

Republicanos apostam em candidatas para atrair votos em novembro

Efe

Os Republicanos também estão se preparando para as eleições em novembro. “O Comitê Nacional Republicano trabalha duro para ganhar eleitores, e as mulheres estão entre os principais. “Estamos entrando em suas comunidades e falando com elas, eleitora a eleitora, sobre os temas que lhes interessam”, explicou Izzy Santa, porta-voz do comitê.

“Ainda no mês passado lançamos nosso programa “14 in ‘14”, em 25 distritos estratégicos de todo o país, pensado em recrutar mulheres com menos de 40 anos que vão ajudar durante 30 minutos por semana para que os republicanos conquistem o voto em suas comunidades. As mulheres merecem soluções, e os republicanos vão lutar por elas”, acrescentou.

Os conservadores afinaram suas apostas, conscientes de que a mulher atrai o voto feminino, e apostam em Shelly Moore Capito (Virgínia Ocidental) e Terri Lynn Land (Michigan) para o Senado; e Mia Love (Utah) e Barbara Comstock (Virgínia) para a Câmara, que consideram “estrelas”.

As mulheres são 53% do eleitorado americano. Ambos partidos são conscientes de que sua postura será essencial nas eleições deste ano e, cada vez mais, no futuro do país.

Aproximação

Entre 2008 e 2010 a participação de mulheres solteiras nas eleições caiu 20 pontos porcentuais. A queda na participação feminina transformou as mulheres no alvo número um dos partidos.

Acesse o PDF: A irreversível força das mulheres nas eleições dos Estados Unidos

 

 

Compartilhar: