Mulheres são maioria na linha de frente, mas são deixadas de fora das decisões sobre combate à Covid-19

Compartilhar:
image_pdfPDF

Pesquisa realizada em 17 países mostra que elas são apenas 20% do comitê de emergência da OMS e um quarto dos decisores nos governos centrais

(Celina/O Globo via Thomson Reuters Foundation | 29/01/2021)

BOGOTÁ – Sete em cada dez trabalhadores na linha de frente do combate à pandemia de Covid-19 são mulheres. Apesar disso, elas são deixadas de fora da resposta à doença e dos planos de recuperação. Uma pesquisa realizada pelo grupo Women Deliver, com sede em Nova York, e a Focus 2030, uma organização francesa de pesquisa, ouviu 17 mil homens e mulheres em 17 países. A maioria dos entrevistados quer que as mulheres sejam mais ouvidas e também se preocupa com retrocessos na igualdade de gênero.

“As pessoas ao redor do mundo reconhecem que a igualdade de gênero é um tema do nosso tempo, e que esse tema ficou ainda mais urgente coma Covid-19”, diz Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora da ONU Mulheres, órgão das Nações Unidas que trabalha pela igualdade de gênero.

Acesse a matéria completa no site de origem.

Compartilhar: