Estupros voltam a crescer, e roubos caem pelo 15º mês seguido em SP

Compartilhar:
image_pdfPDF

Número de casos com veículos é o mais baixo da série histórica para o mês

(Folha de S.Paulo, 29/11/2018 – acesse no site de origem)

O número de casos de estupro registrados no estado de São Paulo voltou a crescer em outubro, conforme os dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública nesta quinta-feira (29). A alta foi de 4,39% em relação ao mesmo mês de 2017.

Em setembro o índice apontou queda nesse crime, de 0,4% — mas foi apenas a segunda vez no ano em que houve recuo no total de estupros (a outra foi em julho). Em todos os demais meses, houve alta.

No acumulado, o ano de 2018 teve até outubro 10.103 notificações de casos de estupro, contra 9.142 de 2017 no mesmo período, alta de 10,51%. Em 2016, foram 8.344. Ainda assim, os números tendem a mascarar o número de casos, dado que esse crime tem um alto índice de subnotificação.

Até por esse motivo, a alta de casos de registro de estupro não necessariamente implica em alta do crime praticado —pode ser apenas que esteja havendo maior notificação.

Por outro lado, o estado manteve a queda consecutiva no número de roubos pelo 15º mês. O decréscimo é de 6,51% em relação a outubro de 2017. No acumulado de janeiro a outubro, a queda é de 14,27%, com 221.154 casos neste ano e 257.971 no mesmo período de 2017. Em 2016, foram 270.504 roubos registrados nos primeiros dez meses do ano.

A taxa de roubos apresenta ainda um recorde histórico positivo quando considerados apenas os roubos de veículos: foram 5.240 em outubro, o número mais baixo para o mês desde que iniciada a série história da Segurança Pública paulista, em 2001. Em termos comparativos a outubro de 2017, a queda foi de 6,84%.

Também seguindo tendência, os roubos de carga caíram pelo 14º mês seguido, indo de 848 em outubro de 2017 para 713 em outubro de 2018, queda de 15,92%.

MORTES

O número de vítimas de homicídio doloso (quando há a intenção de matar) apresentou a ligeira queda de 1,49%, de 268 para 264 mortes.

No caso de mortes no trânsito consideradas como homicídio culposo (quando não há intenção de matar), os números de 2018 praticamente se mantiveram; Houve uma vítima a mais do que em outubro de 2017 (277 mortes contra 276).

O número mais alarmante em crimes com mortes é nos casos de latrocínio — roubos seguidos de morte—, em que houve uma alta de 40%, o que significa um crescimento de 20 para 28 vítimas.

Compartilhar: