Conheça Anyky, a travesti que enfrentou a ditadura e sobreviveu a 50 anos de prostituição

2058
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(R7, 10/07/2016) Idosa conseguiu retificar o nome de nascimento no RG e agora é reconhecida pelo Estado

A costureira Anyky Lima, de 60 anos, é uma travesti que saiu da curva das estatísticas e se tornou idosa em um País onde a expectativa de vida de uma travesti ou transexual é de 35 anos. Mas nem ela sabe como conseguiu sobreviver tanto tempo depois de ter sido expulsa de casa aos 12 anos, ser garota de programa durante a ditadura e ter se prostituído até os 50 anos. Tudo isso num Brasil que lidera rankings mundiais de violência contra travestis e transexuais.

anyky

A travesti Anyky existiu apenas socialmente durante 50 anos, mas agora ela também existe perante a lei (Foto: Reprodução)

Depois de tanta luta, vivendo à margem da sociedade, Anyky deixa a dimensão social para adentrar à realidade legal, com a conquista da retificação de nome, que enterra de vez o constrangimento de ser chamada pelo nome masculino de nascimento, o qual não revela.

A nova documentação da idosa trans virou motivo de comemoração em Belo Horizonte (MG). A foto da costureira segurando seu RG ganhou curtidas e compartilhamentos no Facebook. Foram oito meses e muita burocracia para que, enfim, Anyky conseguisse ser reconhecida pelo sexo que sempre se identificou. Condição compartilhada atualmente por cerca de 1,4 milhão de travestis e mulheres e homens trans no Brasil.

Além de nascer de um gênero e se reconhecer de outro, Anyky também divide com milhares de pessoas trans uma história de vida marcada pela rejeição, prostituição e violência.

Aos sete anos, o típico menino do Rio de Janeiro se via mais como uma das quatro irmãs do que como o único irmão homem. A família, nordestina e tradicional, não soube lidar com o fato de seu pequeno na verdade sonhar em ser pequena. Em cinco anos, com a chegada da puberdade, a situação se tornou insuportável e a desinformação e o preconceito, atualmente perdoados por Anyky, fez com que o jovem garoto fosse expulso de casa.

Aos 12 anos, no auge da Ditadura Militar, ao lado da recém-amiga Sandra Dragão, conseguiu carona, a muito custo, para ir para Vitória (ES). A dificuldade de encontrar um motorista que concordasse em levá-las veio das chagas nos braços da colega, que ostentava marcas de cortes profundos feitos durante brigas com policiais, que só a deixavam em paz após ela se navalhar, para que seu sangue se espalhasse e os agentes se afastassem com medo de se infectar com uma suposta Aids.

O regime ditatorial perseguia as trans, ora machucando, ora humilhando, como quando Anyky foi presa e solta somente após os pelos do seu rosto crescerem, para que, quando andasse pelas ruas, as pessoas notassem que, na verdade, ela era biologicamente homem.

Durante seis anos, Anyky viveu na capital do Espírito Santo como garota de programa. E foi na noite que conheceu um namorado, que a ajudou a voltar para o Rio de Janeiro e a comprar duas máquinas de costura. Foi então que se tornou costureira de fantasias para escola de samba. A grana curta não deixava a jovem deixar a prostituição e, assim, continuou seu movimento pelas ruas cheias de bossa do Rio.

Na época, o corpo apresentava formas curvilíneas, adquiridas com o uso de muito hormônio feminino sem prescrição médica e à base de silicone industrial. A complexidade da mistura de substâncias usadas durante toda a vida tornou a saúde de Anyky algo frágil e misterioso. Hoje, sobraram as dores da rejeição do corpo diante de materiais desenvolvidos para serem usados em máquinas e não em pessoas.

Com 30 anos, Anyky, “cidadã do mundo”, decide se mudar para Minas Gerais, onde continuou se prostituindo. O tempo, implacável, passou. O número de clientes caiu e as contas continuavam a chegar. Aos 50 anos, Anyky decidiu que era a hora de se aposentar, mas uma aposentadoria compulsória, porque, após décadas se prostituindo, voltar a uma vida diurna seria um desafio. Agora, a idosa se dedica a dar palestras, lutar pelos direitos LGBT e orientar as trans que alugam quartos em sua pensão, que não é um prostíbulo. Seis jovens dividem o teto com Anyky, que se vê responsável por dar dicas às mais jovens, que incluem guardar dinheiro, ir ao médico e pagar impostos para garantir uma aposentadoria no futuro.

Operação de mudança de sexo nunca foi uma opção. Ela garante que se sente mulher do jeito que é. Para ela, restou agradecer por não ter morrido nessa trajetória, sorte que muitas mulheres e homens trans não têm. Anyky não morreu, mas garante que morre um pouco toda vez que sabe que uma pessoa trans é assassinada só pelo fato de ser quem se é. Em seis anos, a costureira morreu mais de 600 vezes, considerando apenas os registros oficiais.

Caroline Apple

Acesse no site de origem: Conheça Anyky, a travesti que enfrentou a ditadura e sobreviveu a 50 anos de prostituição (R7, 10/07/2016)

Compartilhar: