Dias de pavor e a busca pela ajuda: conheça histórias de mulheres que denunciaram a violência doméstica durante a pandemia

Compartilhar:
image_pdfPDF

Vítimas afirmam que crise econômica e maior convivência durante a pandemia agravaram situação em casa. Mulheres buscaram ajuda na Casa Help, abrigo para vítimas de violência doméstica no litoral de São Paulo. A Lei Maria da Penha completa 15 anos neste sábado (7).

(G1 – Globo | 07/08/2021 | Por Clara Velasco)

Um dos maiores medos da mulher vítima de violência doméstica tem relação com o futuro. O que fazer quando sair de casa? Como sustentar seus filhos? E como manter a família segura e longe do agressor?

Esses pensamentos passaram pelas cabeças de Renata*, Maria* e Joana* nos últimos meses. Mas, mesmo assim, elas conseguiram buscar ajuda para fugir das agressões e dos abusos constantes dos seus companheiros.

Mesmo que por caminhos diferentes, as três chegaram à Casa Help, uma ONG que fornece abrigo para mulheres vítimas de violência doméstica no litoral de São Paulo.

A casa foi fundada por Rita de Cássia há 16 anos. Além de abrigar as mulheres, a Help as ajuda a procurar emprego e a montar uma casa para que elas possam retomar a vida longe do agressor. Desde que foi fundada, Rita conta que já montou quase 1,8 mil casas.

Ela diz que, desde que a pandemia começou, os pedidos de ajuda aumentaram bastante.

Um levantamento do Monitor da Violência aponta que o número de medidas protetivas solicitadas no primeiro semestre deste ano aumentou 14% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram mais de 190 mil pedidos de janeiro a junho de 2021, contra cerca de 170 mil do ano passado. Isso significa que uma medida protetiva foi pedida a cada 80 segundos no Brasil. A cada hora, são solicitadas 45 medidas protetivas.

Acesse a matéria completa no site de origem 

Compartilhar: